Marcelo Dolabela era um hub

Foi artista multimídia, poeta, roteirista e professor! Em vários momentos cruzamos com ele e com seus feitos, que se tornaram marcantes e inesquecíveis. Fazendo uma retrospectiva, com objetivo de homenageá-lo, vimos o quanto ele e seus projetos com diversos outros artistas foram importantes para nossa formação e atuação profissional, assim como para a consolidação de uma rede de pessoas.

Pela Música
Ainda estudantes da PUC, assistimos shows do Divergência Socialista. Em 1994, o show do Fugazi e Virna Lisi, foram um dos melhores shows de rock independente/alternativo que já aconteceram em BH na praça da Estação, dentro do festival BHRIF. Por ali nos aproximamos de Julio Dui, que produziu as artes do festival.

Pelo Audiovisual
Fizemos uma das primeiras incursões no cinema, fazendo abertura para o filme Plano Sequência com roteiro de Marcelo e Patrícia Moran.

Pelas artes gráficas
Ao longo dos anos, tomamos algumas cervejas no mercado Central e no Maleta. As conversas presenciais sempre muito significativas. Seu trabalho de poesia e arte gráfica foram e são influências que ficaram para sempre e nos conectaram com Glória Campos e Clo Paollielo do Mangá Estúdio.

Pela poesia
Participei de algumas publicações poéticas junto com ele. O design para a Midiação Política Dilma em 2014 e em 2017 junto ao projeto #arteliberdade organizado por Emília Mendes (Labed/UFMG) e Celina Laje (Escola Guignard/UEMG) e com participação de muita gente bacana de várias áreas.

EBOOK >> https://issuu.com/celinalage/docs/arteliberdade_low

Pelo mundo acadêmico
Em 2018, os primeiros contatos se deram via e-mail e mediados por Gabriel Borges, por conta do seu projeto de TCC que Cláudio Santos orientou pela Escola de Design da UEMG. O projeto teve como objetivo resgatar a memória da cena musical underground de Belo Horizonte, através das peças gráficas produzidas para as bandas de rock pós-punk que surgiram na cidade durante o movimento, que aconteceu entre o início dos anos de 1980 até os primeiros anos da década seguinte.

Durante a realização da pesquisa, foi possível encontrar e registrar algumas peças gráficas produzidas para a divulgação das bandas de rock pós-punk desse período e, através deste levantamento, identificou-se pessoas, espaços e veículos de comunicação que tiveram relação com o movimento. Marcelo foi fundamental na contribuição e validação da pesquisa. No final do projeto acabou nos convidando para uma conversa.

Já em 2019, junto com Flávio Vignoli, Sérgio Antônio e Ricardo Portilho, estávamos pensando em uma exposição com toda trajetória dele, assim como fizemos com Tião Nunes lá no Espaço Cultural UEMG! Em função da mudança e de um ano conturbado, não deu tempo de fazer com ele em vida!

Que suas ações fiquem eternizadas e sejam visíveis e conhecidas pelas novas gerações!


Categoria: Experimental, Video, Voltz em 21/01/2020    


 

Deixe seu comentário