Festival

Sou do Mundo, Sou Minas Gerais – Instituto Unimed

Unimed – Sou Minas Gerais

o Instituto Unimed-BH é o patrocinador do Festival Cultural de Belo Horizonte, que foi realizado dia 23 de outubro, no Grande Teatro do Palácio das Artes. O evento artístico celebrou a universalidade da mineiridade e foi inspirado na arte produzida em Belo Horizonte nos últimos 45 anos.

Com o tema “Sou do mundo, sou Minas Gerais”, o espetáculo fez uma homenagem à frase conhecida em todo o Brasil pela canção “Para Lennon e McCartney”, composta por Fernando Brant, Márcio Borges e Lô Borges e imortalizada na voz de Milton Nascimento, no início da década de 1970. A montagem cênico-musical percorreu do Clube da Esquina ao Pop Rock, passando por seus poetas, pela cultura popular, pela religiosidade, pelo teatro, pela dança, pelos ritmos de seus tambores, pela tradição, pelo novo e pelo desejo de síntese.

O Festival contou com 400 participantes dos cursos de percussão, balé, coral lírico infantil e dança de rua da Escola de Artes, projeto viabilizado pelo Instituto Unimed-BH no Aglomerado do Morro das Pedras. Como convidados, contará com apresentações do grupo de percussão e de congado Bloco Saúde, com regência de Maurício Tizumba, em parceria com a Associação Cultural Tambor Mineiro, além da Orquestra Sinfônica de Betim, o Coral Unimed-BH, o Grupo Jazz Mira e o Grupo de Palhaços Uniclown.

Direção artística: Gilvan de Oliveira, músico, arranjador e diretor musical do grupo Ponto de Partida
Direção de cena: Inês Amaral
Direção de produção: Lilian Nunes (Coreto)
Direção de produção audiovisual: Alessandra Maria Soares (Voltz)
Cenografia digital (executada ao vivo): Cláudio Santos Rodrigues (Voltz), Chico de Paula e Henrique Roscoe


Categoria: Animação, Evento, Festival, Performance em 06/04/2017    


 

Foto em Pauta 2016 – Performance audiovisual

Performance Audiovisuai – Rede Tipográfica de Minas Gerais from Voltz Design on Vimeo.

Por causa das fortes chuvas, as 2 performances programadas (para sexta e sábado) se modificaram em um ensaio aberto no sábado a tarde e uma apresentação oficial a noite. André Travassos, no violão (Câmera) e Renato Moura, na percussão (Pequeno Céu) criaram o clima sonoro para o sistema que alternava os vídeos e fotos a partir do uso da alavanca da prensa centenária.



A intenção era comemorar os 20 anos da Voltz participando nos eventos de parceiros. A partir de todos esse envolvimento com essa edição do Foto em Pauta em torno dos clichês fotográficos e do uso da tipografia, optou-se por se fazer uma apresentação pública de fragmentos da dissertação de Cláudio Santos Rodrigues. A pesquisa realizada no âmbito da Programa de Pós-Graduação da Escola de Design da UEMG, trata do Design aplicado às tecnologias de rede colaborativa: projeto para difusão da memória coletiva da tipografia em Minas Gerais.


Pesquisa, edição e performance | Cláudio Santos Rodrigues

Imagens | Alessandra Maria Soares e Fábio Martins (ao vivo)
Cláudio Santos Rodrigues, Leonardo Rocha Dutra e Rede Minas (acervo)

Trilha Sonora | André Travassos e Renato Moura (ao vivo)
O Grivo e Lucas Miranda (incidental)

Desenvolvimento de Sistema | Sérgio Mendes

Agradecimentos | Alessandra Maria Soares, Eugênio Sávio, Fábio Martins
Isadora e Miguel Soares Rodrigues, Marcello, W. Tostes e Sergin Castanheira

Jardim do Sobrado 4 Cantos – Tiradentes – 2016


Categoria: #voltz20anos, Aplicativo, Evento, Experimental, Festival, Mostra, Performance, Tipografia, Video em 16/03/2016    


 

Foto em Pauta 2016 – Oficina tipográfica aberta

Neste ano uma das grandes novidades do 6º Festival de Fotografia de Tiradentes – Foto em Pauta, foi a mostra de Foto Livros. A partir de um edital, foram selecionados livros de fotografia do Brasil inteiro. Partindo disso, entre os dias 05 e 09 de março de 2016, optamos por realizar a produção de um livro tipográfico com base nos clichês fotográficos da Gráfica Assunção de São João del-Rei. Levamos a prensa centenária com o acervo de tipos, herdada como legado, da Tipografia Liberdade do Sr. Sebastião Bento da Paixão de Jequitinhonha, lá para Tiradentes.

Decidimos que o livro se chamaria Saturno e que celebrasse os encontros reais que tivemos nestes dias. Foram longas conversas no porão. Algumas frases surgiram e optamos por colocá-las em dialogo com os símbolos dos elementos químicos que fazem parte do universo da Tipografia. Os clichês foram impressos em laranja e em páginas coloridas revelando seu desgaste e sua constante desmaterialzação. A narrativa sugeria o processo de se ir do chumbo ao Eter (ROR).

Retomamos o contato com a Gráfica Assunção para que nos emprestasse os clichês fotográficos. Escolhemos o papel Rives Tradition para a capa e alguns papéis coloridos para o miolo. Conseguimos uma tinta laranja que deu vida aos clichês de paisagens selecionados pelo próprio Sr. Afonso. O preto ficou para as frases, a página de rosto e o colofão. Em preto imprimimos também um clichê adquirido por Alessandra e Cláudio, diretamente do antiquário pessoal do Sr. John Sommers, há mais de 25 anos atrás.

“O agente que os alquimistas usavam para produzir ouro artificial era a pedra filosofal. Essa pedra, na realidade um pó ou tintura – era também chamada maza, palavra rega para levedura. A pedra filosofal, não é portanto, a substância da qual o ouro é feito, mas o aditivo essencial, o fermento ou catalisador que efetua a transmutação (ou trasnformação) de metal comum em precioso. o metal comum preferido para isso era o chumbo, associado ao planeta (e portanto ao Deus Saturno). O nome grego para Saturno é Cronos, que, por associação com a palavra chronos (tempo), sugere transitoriedade. Assim, Saturno é representado em ilustrações alquímicas, por um velho com uma ampulheta e uma foice. Relacionado a essa alquimia, o processo envolve a conversão de chumbo, metal inferior e símbolo do transitório, em ouro, metal precioso e símbolo do eterno. A alquimia é, portanto, uma tentativa do homem para escapar do tempo enquanto ainda está nele – seu esforço para se libertar da transitoriedade enquanto está nessa vida”. (Dinheiro e magia: Uma crítica da economia moderna à luz do Fausto de Goethe. Hans C. Binswanger, pg 55.)

Fomos além e chegamos ao Eter como simbologia da era digital e da nuvem que tanto nos rodeia.

Oficina Tipográfica Aberta - from Voltz Design on Vimeo.

Oficina Tipográfica Aberta – SATURNO
Tipógrafos  |  Cláudio Santos Rodrigues, Fábio Martins e Marcello W. Tostes
Imagens  |  Cláudio Santos Rodrigues e Fábio Martins
Edição  |  Cláudio Santos Rodrigues
Trilha Sonora  |  Sinos da Igreja do Pilar de São João del-Rei
Agradecimentos  |  Eugênio Sávio, Sr. Afonso, Gráfica Assunção e Sergin Castanheira
Porão do Sobrado 4 Cantos – Tiradentes  - 2016

Categoria: #voltz20anos, Editorial, Experimental, Festival, Mostra, Sinalização, Tipografia em 16/03/2016    


 

Foto em Pauta 2016 – Impressão em tipografia da Capa do Catálogo e caderno

A relização da capa catálogo e do caderno promocional  do 6º Festival de Fotografia de Tiradentes aconteceu numa sexta-feira, 5 dias antes do festival.

6º Foto em Pauta + Voltz + Tipografia Assunção from Voltz Design on Vimeo.

O desafio era imprimir, em apenas um dia, 3.000 capas no papel ficha ouro 180 gr, a partir de uma composição de clichês fotográficos. Saímos de Tiradentes pela manhã, abençoados pela Serra de São José, rumo a São João del-Rei. Era preciso voltar ainda no final do dia para BH para entregar as capas para a Gráfica Paulinelli que estava rodando o miolo. Saturno/Cronos olharam por nós…

Nos enfurnamos no interior da Gráfica Assunção e começamos a escolher os clichês. Como forma de respeito e homenagem, os clichês dos retratos foram escolhidos a dedo por Sr. Afonso. Ele utilizava talco para identificar cada rosto e lembrava de cada um que se revelava. Após o quebra-cabeça da composição, necessária para encaixar a logo, partimos para o cuidadoso trabalho de limpar cada clichê para se obter a melhor a impressão. Gastamos toda manhã neste processo.

Após a rama montada, partimos para a impressão da primeira cor em vermelho, na heidelberg de leque utilizada nos últimos tempos apenas para numerar notas fiscais. Logo após o almoço, voltamos otimistas, mas a prensa precisava de ajustes e de algum afago para dar conta do recado. Sr. Afonso envolveu todos os funcionários no processo, que foi feito de forma harmoniosa e bem humorada. Seu filho chegou e acabou de deixar a máquina azeitada.


Daí foi só aguardar o tempo da própria impressão e ficar ao lado para acompanhar. Como tudo transcorria dentro do previsto, optamos por imprimir também a capa e montar um caderno promocional do evento. Saímos da gráfica com parte dos impressos às 18h45,  faltando 15 minutos para pegar o ônibus rumo a BH….


Ficha técnica:

Concepção: Cláudio Santos Rodrigues e Eugênio Sávio
Composição: Cláudio Santos Rodrigues e Sr. Afonso
Impressão: Quincas
Ilustração: Thi Rohrmann
Imagens: Cláudio Santos Rodrigues e Miguel Rohrmann
Edição do vídeo: Cláudio Santos Rodrigues
Trilha Sonora: Invisível
Produção: Alessandra Maria Soares e Renato Moura
Realização: Foto em Pauta e Voltz Design
Agradecimentos: A todos da Gráfica Assunção e Sergin Castanheira


Categoria: #voltz20anos, Evento, Experimental, Festival, Mostra, Tipografia em 16/03/2016    


 

Foto em Pauta 2016 / Tipografia Assunção

Lugares e imagens que sobrevivem – Oficina aberta e performance audiovisual


Este ano para a identidade visual do 6º Foto em Pauta – Festival de Fotografia de Tiradentes, partimos da pesquisa acerca da Rede Tipográfica de Minas Gerais de Cláudio Santos Rodrigues. A ideia era pesquisar um acervo de clichês fotográficos na região do campo das vertentes, principalmente entre Tiradentes e São João Del Rei. Daí, chegamos na Gráfica Assunção. Em uma primeira investigação, feita por Eugênio Sávio e Sergin Castanheira (Foto em Pauta) vimos as ricas possibildades que se abririam. Conseguimos tirar dos arquivos, o velho prelo e dar vida novamente a alguns clichês. Daí, surgiu uma nova proposta: transformar o que seria um workshop em uma oficina aberta onde a Voltz + o Foto em Pauta realizariam um livro durante o festival, a partir do acervo do Gráfica Assunção. Além disso, optou-se em apresentar a pesquisa sobre a Tipografia em Minas Gerais no formato de uma performance audiovisual com o sistema de imprimir videos, que estamos aperfeiçoando a cada novo uso.

A segunda visita se deu em plena sexta-feira, dia 19.02.2016. Chegamos às 10h30 conforme combinado e Sr. Afonso estava lá assisitndo TV atrás do balcão. Iniciamos a conversa tendo 3 objetivos como meta. Um seria escutá-lo para dar continuidade à pesquisa da Rede Tipográfica de Minas Gerais. O outro seria conseguir ter acesso a seu acervo para poder usar como suporte para um livro-homenagem a essa técnica e a esses homens-máquinas. O terceiro seria fazer um orçamento para ver a viabildade de imprimir o catálogo do 16º Festival Foto em Pauta, parte em tipografia e parte em off-set. Acabamos fechando de imprimir a capa do catálogo utlizando os antigos clichês fotográficos na Heidelberg de leque.

Sr. Afonso tem 64 anos de profissão. Recebe as pessoas, mas a todo momento Laércio, auxiliar administrativo que está lá há 22 anos, dá continuidade aos atendimentos. Os orçamentos ainda são conversados, tem que ser analisados e aprovados por ele antes de enviar. Após uma longa conversa ele nos convida a adentrar. Começamos passando pela pré-impressão, que ainda é chamada de Arte-Final. Nos mostra um gaveteiro que virou armário de papéis. Passamos por uma Catu em funcionamento ao lado de um antigo relógio de ponto. Daí chega-se ao salão principal, com as impressoras e mesas de montagem.

Para o lado esquerdo, por uma pequena porta, entramos em salas que viraram depósitos. Junto a potes de tinta e papéis, se encontra uma mesa de sinuca e uma “feijãozinho”. Entramos por mais um corredor e chegamos em um gaveteiro desgastado pelo tempo mas repleto de clichês em ótimo estado. Ao som do sino da Igreja do Pilar, vamos abrindo gaveta por gaveta e nos deparamos com toda sujeira possível por conta dos diversos insetos e pequenos roedores que devem passear por ali há anos. Nesse garimpo, encontramos também fotos de anúncios fúnebres, além de logotipos de associações religiosas, empresas locais, times de futebol, etc.

Retornamos para o salão principal e para o lado direito, caímos numa antiga quadra de futebol de salão, com as marcas ainda no chão. O teto foi coberto e hoje abriga pilhas de papéis e 2 heildelbergs de leque. Uma delas com a roalaria entintada de vermelho e em pleno funcionamento para numerar notas fiscais. Outro capítulo a parte, são os 3 catálogos de tipos e 1 de clichê. Impressos curiosos aparecem também, como é o caso do amigo da onça que era vendido para os estabelecimentos comerciais e uma antiga nota fiscal da empresa toda impressa em tipografia datada de 1974.


Em um dos catálogos da tipografia Assunção, cada tipo era nomeado como atores, atrizes de novela e personagens da televisão, assim como por jogadores de futebol, nome de amigos, de personalidades civis e religiosas da região. Os catálogos da Tipografia Progresso apresentavam os tipos em um texto que revela de forma didática como é o processo tipográfico e dava dica aos clientes da melhor forma de se usar os recursos gráficos.

Dando continuidade nessa história o próximo post será sobre como imprimimos a capa em tipografia, usando os clichês fotográficos e numerador.

Tipografia e Papelaria Assunção
Rua Marechal Deodoro, 36 – (32) 3371 2954 / 3371 2410
[email protected]


Categoria: #voltz20anos, Evento, Experimental, Exposição, Festival, Performance, Tipografia, Video em 07/03/2016