Oficina

Ágora / Saramenha Artes e Ofícios


Das origens ancestrais, européias e das américas, africanas, indígenas, brasileiras, mineiras, barrocas e modernistas. A Tipografia LIBERDADE continua sua trajetória centenária, que veio do rio Araçuaí até Jequitinhonha, passando por Belo Horizonte. No dia 12 de outubro de 2017 se instalou em Ouro Preto para se conectar mais profundamente com uma história que revela o ato da fala, das mãos, do gesto, do barro, do fogo, da madeira, do papel, da tinta e dos metais. Um novo espaço para toda forma de impressão e expressão e para uma melhor compreensão da nossa história através de experiências artísticas, educativas e culturais !!!

O espaço da Saramenha de Artes e Ofícios, localizado em Santo Amaro de Botafogo à 5 quilômetros de Ouro Preto já se propõe como um museu vivo e é voltado para o resgate dos antigos ofícios, principalmente ao manter ativo um tipo de se produzir cerâmica vitrificada, técnica que Padre Viegas (o pioneiro da tipografia no Brasil), trouxe de Portugal ao retornar em 1802, conforme descrito por Paulo Rogério Ayres Lage no livro “Cerâmica Saramenha – A Primeira Manufatura de Minas Gerais”. Aqui se deu a liga necessária para esse reencontro de técnicas em seu local de origem.

Nos dias 21 e 22 de julho de 2018 aconteceu a Oficina ÁGORA de Tipografia, lá na Cerâmica Artes e Ofícios e como ação integrada ao Festival de Inverno de Ouro Preto, Mariana e Região. Reinaugurada a Tipografia Liberdade, utilizando também equipamentos da Tipografia do Zé, 62 pontos e TipoLab-ED/UEMG. Final de semana produtivo com mais um ponto vivo da #redetipográfica.

Mais um passo do projeto ÁGORA que vem sendo construído há algum tempo. Foi também o momento de recolocar a Tipografia Liberdade em funcionamento novamente, agora num contexto que conecta passado e presente. Veja o processo de Restauração da Tipografia Liberdade >>


Categoria: Curso, Evento, Exposição, Festival, Gastronomia, Museus, Oficina, Palestra, Tipografia, Video em 26/07/2018    


 

Da luz ao metal – A produção de um livro pela impressão fototipográfica

Resgatando uma história e memória da tipografia na região de Tiradentes e conectando com a valorização que o Foto em Pauta 2017 tem dado aos fotolivros, o workshop propõe a produção de um livro colaborativo à partir da documentação fotográfica dos ornamentos arquitetônicos de Tiradentes e transformação destas imagens em fotoclichês para a impressão tipográfica experimental.


O livro experimental fototipográfico permite uma investigação tanto da produção da imagem e composição da página quanto da sequencialidade do livro pelas técnicas e processos da tipografia e da materialidade do livro.

Programa:

DIA 1 – Um olho na tipografia e outro na cidade

Contextualização histórica de Tiradentes e região em relação ao universo da tipografia. Detalhamento da metodologia do workshop com apresentação de livros experimentais tipográficos e fototipográficos. Introdução aos processos de impressão tipográfica e produção dos fotolichês.

Tarde: Documentação fotográfica dos ornamentos arquitetônicos de Tiradentes para a investigação e layout da página. Dos ornamentos selecionados serão produzidos os fotoclichês para a impressão tipográfica experimental. Cada aluno fará um diário das memórias e percepções desta investigação para a composição da página.

Dia 2 – Mão na tinta
Manhã: Visita à Tipografia Assunção em São João Del-Rey para conversa com o tipógrafo Sr. Afonso e apresentação de todo o processo técnico. Produção do fotoclichê.

Tarde: Composição das páginas do livro com os ornamentos selecionados e textos do diário. Existem ainda fios e ornamentos tipográficos de metal para serem utilizados pelos alunos. Impressão experimental fototipográfica da composição.

Dia 3 – Mão e olho no livro
Manhã: Impressão digital dos textos nas páginas fototipográficas já impressas
Tarde: Acabamento dos livros e exposição de todo o processo do workshop para o debate final

INSTRUTORES

Cláudio Santos

Designer na Voltz Design desde 1996. Professor na Escola de Design da UEMG. Mestre em Sustentabilidade e Inovação, com pesquisa sobre a Rede Tipográfica de Minas Gerais. Pesquisador no TipoLAB – Laboratório de Tipografia da ED-UEMG. Desenvolve projetos transmídia com diversas aplicações em espaços de memória e museus. Em 2006 aprendeu o ofício da tipografia com o mestre Sebastião Bento da Paixão, da cidade de Jequitinhonha. Adquiriu todo espólio de sua Tipografia Liberdade e desde então realiza projetos experimentais que mesclam tipografia e audiovisual.

Flávio Vignoli

Designer, editor e tipógrafo da gráfica particular Tipografia do Zé que desde 2008 produz livros de tiragem limitada, livros experimentais, cadernos e outros impressos tipográficos. Possui a empresa de design gráfico, interiores e exposição Estúdio 43. Professor do Workshop de Tipografia da Tipografia Matias. Participante do Museu Vivo Memória Gráfica (Belo Horizonte) e Museu Tipografia Pão de Santo Antônio (Diamantina). Presidente do Centro de Artesanato Mineiro.

Ainda contamos com a participação do Tiopógrafo Sergin Castanheira. Na edição de 2016, Sergin comprou uma prensa manual que estava num ferro-velho. Ao longo do ano restaurou, fundiu peças, refez a rolaria e montou a “Tipografia Ambulante”. Ao longo do festival a programação era impressa e distribuída na cidade.

Convidado especial e fotos: Fábio Martins

Vídeo: Eduardo Guarda


Categoria: Curso, Experimental, Oficina, Tipografia em 21/04/2017