Teatro

Polo Audiovisual – Orfãs da Rainha

A Voltz está desenvolvendo junto com a D2R Studios o planejamento e o projeto para a pós-produção do Filme “As Orfãs da Rainha”. Um filme da diretora/pesquisadora/produtora Elza Cataldo, com direção de Arte de Moacyr Gramacho, direção de fotografia de Fernanda Tanaka e grande elenco, onde vários atores vem do teatro. Está sendo produzido na cidade de Tocantins,  em parceria com o Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais.

A profunda pesquisa histórica trata da colonização portuguesa no Brasil, que se efetivou a partir de 1530, onde muitas transformações – de ordem política e econômica – ocorreram em algumas capitanias, sobretudo na Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro, onde havia maior concentração de colonos. As missões jesuítas e outras ações operadas pela Igreja Católica estavam intimamente ligadas ao processo colonizador. A presença da Inquisição entre os séculos 16 e 18 faz parte desse contexto, perseguindo principalmente judeus que vieram da Europa.

Uma vila cenográfica foi construída em Tocantins, na Zona da Mata mineira, terra natal da diretora. Além de pensar na projeção e desenvolvimento do município, a escolha foi motivada por outros fatores. O lugar onde se passa boa parte das ações do filme demorou quase um ano para ser concluído e tem direção de arte assinada por Moacyr Gramacho, diretor-geral do Teatro Castro Alves, em Salvador, e conhecido por seu trabalho como cenógrafo em espetáculos de teatro, dança e cinema. Profissionais de Tocantins e da Zona da Mata trabalharam em parceria com pessoas de diversos outros lugares.

Os figurinos, a cargo das mineiras Sayonara Lopes, que trabalhou com a diretora em outras produções, e Rosângela Nascimento. A consultoria foi de Beth Filipecki, uma das mais conceituadas figurinistas do país.

As filmagens começaram em janeiro de 2020. Já na primeira semana acompanhamos o desenrolar de uma das cenas do filme, que prevê a aplicação de um efeito especial em CGI na pós-produção. Um “monstro”conhecido como finca-pé vai interagir com a criança indígena! A complexidade da cena exigiu a gravação da criança em chorma-key.

Abaixo um still do filme. Ainda muita coisa vai acontecer!!! Aguarde os desdobramentos dessa história!


Categoria: Animação, Filme, Identidade Visual, Moda, Teatro, Video em 03/02/2020    


 

O URRO! Um espetáculo de múltiplas linguagens

Com direção de Carlos Rocha (Carlão) e Gil Amâncio, O Urro! é uma metáfora do berro do homem contemporâneo no limite da raça, encurralado em suas modernas cavernas e presos no carrossel sedutor das grandes metrópoles – que é representada na fábula pela fictícia megacidade de Urbanus.

O trabalho incorpora múltiplas linguagens, constrói sua narrativa conectando o texto, a música, a H.Q., a animação e o vídeo à performance cênica. A articulação desses vários elementos, de maneira inovadora, confere um caráter de ineditismo e de experimentação à montagem. A cenografia contempla a animação de 50 minutos de duração feita pela equipe da Voltz a partir de fotografias, vídeos, lettering e principalmente de quadrinhos de Marcello Lellis.

Mas, para além do humor, do lúdico e do poético, o espetáculo busca compartilhar uma reflexão sobre o urbano e os valores culturais, políticos e comportamentais da sociedade contemporânea.

Veja o vídeo feito para a campanha de financiamento coletivo!

Acesse o blog do espetáculo: https://espetaculoourro.wordpress.com/

Ficha Técnica:

Texto e Co-direção: Carlos Rocha
Trilha Sonora e Co-direção: Gil Amâncio
Atuação e Locuções: André Senna
Quadrinhos: Marcelo Lelis
Animação: Voltz Design (Cláudio Santos Rodrigues, Digo Gazinelli e Leonardo Rocha Dutra)
Storyboard e animáticos: André Senna, Carlos Rocha e Gil Amâncio
Cenário e Figurino: Marco Paulo Rolla
Vídeo Repórter-Urgente: V. Produção Audiovisual
Ator Repórter-Urgente: Willian Cristiano
Iluminação: Leonardo Pavanello
Fotógrafo: Guto Muniz
Cenotécnico: Marco Antônio dos Santos
Produção Executiva: POP Produções Artísticas
Assessoria de Imprensa: Adilson Marcelino


Categoria: Animação, Experimental, Performance, Teatro em 21/01/2015