Fórum das Letras 2018

Começou no dia 01 de novembro, mais uma edição do Fórum das Letras de Ouro Preto. O evento literário movimentou a cidade barroca com debates, exposições e apresentações artísticas voltadas para adultos e crianças e segue até 04 de novembro. Com o tema “Emergências: Literaturas e Outras Narrativas”, o encontro homenageará os poetas Guilherme Mansur e Paulo Leminski. Em 2018, a curadoria é assinada pela coordenadora Guiomar de Grammont em parceria com o Sesc. A realização do evento, cuja programação foi inteiramente gratuita, é da Universidade Federal de Ouro Preto.


A abertura oficial do Fórum das Letras de 2018 aconteceu na Casa dos Contos, com a abertura das exposições “Silêncio Lascado – Guilherme Mansur & Paulo Leminski” e Mostra Literária do Sesc de Paulo Leminski. Em seguida, o público poderá acompanhar a apresentação do Coral do IFMG. A exposição  contou com o apoio da Voltz Design.

O primeiro dia de evento contará também com a Performance Homenagem: Tipoema: Movimento 7 – Mansur / Leminski. Trata-se de uma espetáculo mecânico/analógico/digital com uso de prensa tipográfica, música e imagens, realizado por Claudio Santos (Voltz), Leonardo Dutra e Fabiano Fonseca. Participaram também Ivan de Castro e Guilherme Garcia. A partir da manipulação de um sistema digital que alterna vídeos e fotos com uso da alavanca de uma prensa manual, serão apresentados haicais de Guilherme Mansur e poemas de sua parceria com Paulo Leminski. A apresentação aconteceu no Glória Bistrô. Foi apresentado material de arquivo jamais visto sobre Mansur e Liminski, além de alguns poemas impressos em tipos móveis no TipoLab – Laboratório de Tipografia da Escola de Design da UEMG.

HOMENAGEM

O ouro-pretano Guilherme Mansur é personagem de fundamental importância na história do Fórum das Letras. O tipoeta, como era chamado pelo concretista Haroldo de Campos, já participou de diversas edições do evento e recebe, agora, justa homenagem, ao lado do curitibano Paulo Leminski, falecido em 1989, de quem foi amigo pessoal. Além da performance Guilherme e Leminski também foram homenageados pela escritora Ouropretana Adriana Versiani e pelo Poeta Nicolas Behr, que junto a Guilherme Garcia tivemos a honra de passar uma manhã juntos, conversando, trocando palavras e impressos enquanto Guilherme organizava a chuva de poesia para o encerramento do evento.

Categoria: Evento, Experimental, Exposição, Performance, Sistema, Tipografia em 04/11/2018    


 

Glória Bistrô

O Gloria Bistrô fica situado em um típico casarão ouropretano de 180 metros, local por onde funcionou por quatro décadas uma venda de secos e molhados, o espaço continua remetendo à antigo armazém, mas com detalhes charmosos e contemporâneos na iluminação e decoração especialmente elaborados por Monica Botelho, responsável pela repaginação e gestão do Glória Bistrô. Junto com Mônica tivemos o prazer de criar a Identidade Visual e todos os detalhes gráficos. “Desenvolver uma marca requer inspiração e talento. A equipe criativa do Glória Bistrô contratou os bambas, designer Claudio Santos e a produtora Alessandra Soares da Voltz de Belo Horizonte para cuidar do nosso branding! E o resultado é esta lindeza de marca ,confiram nas fotos toda a evolução e inspiração que nos trouxe até este resultado. Glória para além dos óbvios e gloriosos sinônimos nomeia também os resplendores usados nas imagens sacras ou seja mais barroco ouropretano impossível!

O restaurante fica em Ouro Preto e leva a assinatura dedo chef Mauro Bernardes, velho-conhecido da turma belorizontina por performar por mais de uma década com seu Aurora, restaurante que marcou época por aqui. Na cozinha do recém-chegado Glória Bistrô, Mauro reveza espaço com Camila Botelho, jovem chef saudável com passagens pela Matthew Kenney Culinary School em Santa Monica (EUA), além da carioca NOS ESCOLA, a primeira Escola de Saúde Integral do Brasil.Do encontro de gerações entre os dois (59 e 26 anos, respectivamente) e da junção pouco ortodoxa de duas escolas gastronômicas tão distintas, nasceu a busca por uma culinária que integra sabor e saúde, com apreço pela técnica da culinária tradicional. A ideia do Glória é combater o preconceito de que comida saudável não é saborosa, propondo aliar sabor e saúde ao cardápio criativo e autoral. artesanalmente

Além da logo e da sinalização cuidamos também do cardápio, material de divulgação, forros de mesa, porta-copos, utilizando gravuras de alimentos junto aos barrocos dos textos, capas de livro ornamentos  e resplendores!

Fotos: Studio Tertúlia

Categoria: Gastronomia, Identidade Visual, Performance, Tipografia em 04/11/2018    


 

Somos Comunidade – Instituto Unimed / Coreto

O Instituto Unimed-BH é uma associação sem fins lucrativos criada em 2003 e que desenvolve ações para ampliar o acesso à cultura,  estimular o bem-estar e a qualidade de vida das pessoas, valorizar espaços públicos e o meio ambiente por meio do Programa de Responsabilidade Social Cooperativista da Unimed-BH. Mais ainda, fomenta a geração de empregos e  renda em nossa cidade, além de viabilizar projetos socioculturais para a comunidade. São iniciativas que fazem a diferença na vida das pessoas.Os projetos dialogam com 5 linhas de ação: Comunidade, Meio ambiente, Voluntariado, Adoção de Espaços Públicos e Cultura. Os mais de 60 projetos patrocinados alcançam cerca 1,4 milhão de pessoas, direta e indiretamente.

Um dos destaques é o Programa Cultural Unimed-BH, considerada a maior experiência de patrocínio cultural do país mantida por pessoas físicas, segundo o Ministério da Cultura. Neste ano o evento aconteceu no dia 13 de outubro, com um palco na Praça Duque de Caxias para comemorar os 15 anos do Instituto. A programação, gratuita foi para toda a família, e contou com o espetáculo “Somos Feitos de Sonhos”, realizado pelo Instituto em parceria com o Coreto Cultural, e o projeto Jazzinho – jazz para crianças com o show “Toquinho no Mundo da Criança”.

A Voltz mais uma vez ficou responsável por realizar o projeto de design audiovisual, que compreendia a produção de conteúdo com animações e vídeos para o cenário digital de leds, além da captação de imagens ao vivo em diálogo com o conteúdo produzido. Neste ano realizamos também a produção de depoimentos que foram exibidos entre as apresentações cénico-musicais.

O festival apresenta o espetáculo “Somos Feitos de Sonhos”, formado por mais de 400 artistas no palco. Entre eles, mais de 300 são crianças e adolescentes alunos da Escola de Artes Instituto Unimed-BH, no Aglomerado Morro das Pedras, que participam dos cursos de percussão, balé e danças urbanas. A Escola busca contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos jovens, incentivando a cidadania e a inclusão social. É um projeto que envolve artistas, educadores, colaboradores, público, num total de 15 músicas, 400 artistas, mais de 600 postos de trabalho, cerca de 4.000 pessoas de público direto, outras milhares indiretamente.

A direção artística do espetáculo é assinada por Gilvan de Oliveira. A apresentação também conta com a participação de outros artistas mineiros, como Maurício Tizumba, Adrianna Moreira, Marcelo Veronez e Pedro Morais.

Também integram o “Somos Comunidade”, o grupo de percussão afro-mineira Bloco Saúde; o Coral da Unimed-BH, sob a regência do maestro Márcio Miranda Pontes; o grupo de dança de salão Dança a Dois, coordenado pela Cia. de Dança Mimulus; a Orquestra Sinfônica de Betim, o Grupo Mira e a Cia. Masculina do Núcleo Artístico.

O evento foi encerrado com um show do cantor Toquinh0, canções que embalaram a infância e que, agora, seus filhos podem ouvir e aprender.

Categoria: Animação, Video em 05/10/2018    


 

Arte Democracia Utopia – Museu de Arte do Rio

A exposição Arte Democracia Utopia – Quem não luta tá morto foi inaugurada no dia 15 de setembro de 2018, no Museu de Arte do Rio, na Praça Mauá – Rio de Janeiro. Com coordenação geral de Eleonora Santa Rosa, a curadoria foi assinada por Moacir Dos Anjos, um dos mais importantes curadores do país, com passagens pelas Bienais de São Paulo e Veneza, a mostra faz parte do programa de comemoração dos 5 anos da instituição.

“Quem não luta tá morto é frase gritada por muitas e muitos dos que teimam em construir, em estado de constante disputa, lugares e tempos mais generosos e inclusivos. É frase dita bem alto, em particular, por aquelas e aqueles que buscam fazer valer, no Brasil, o direito constitucional à terra e à moradia. Frase que sintetiza a certeza vital que move a construção utópica: a impossibilidade de estancar a busca do que se deseja e do que se precisa. Mas se a única alternativa à morte é a luta, é dolorosamente claro que a luta não impede a suspensão da vida, que quem luta também morre – com frequência justo por sua combatividade, por sua gana de inventar um mundo mais largo. Gente que é morta por querer impedir as mortes lentas que a existência precária fabrica, espelho das desigualdades abissais que fundam e estruturam o país. As mortes de quem luta se transformam, por isso, em imperativo ético de resistência para quem fica; de fazer valer, a despeito de tudo, o valor da vida.”, explica o curador Moacir dos Anjos.

Para a sinalização de entrada do museu criamos uma padronagem tipográfica que foi aplicada como um lambe-lamber  na parte externa como stencil. Essa referência vem dos manifestos impressos pelas vanguardas, que sempre usaram da palavra impressa para registrar e disseminar suas ideias. Para a aplicação destes materiais contamos com a participação do pessoal do Estudo Banzo lá do Rio de Janeiro.

Na parte interna da exposição a identidade visual foi aplicada em plotter de recorte. Além da identidade visual a Voltz foi responsável por toda a sinalização informativa da exposição, além da vinheta e todo material de divulgação, que foi trabalho em parceria com a equipe de comunicação e design do museu.

Sem ter pretensão de apresentar um panorama conclusivo, a mostra traz exemplos do pensamento utópico que marca a arte brasileira recente. Trabalhos artísticos realizados em momentos passados também estarão presentes, além de propostas e ações realizadas por grupos comunitários, associações e outras articulações da sociedade civil que visam a construção de estruturas de atuação política e social.

“ARTE DEMOCRACIA UTOPIA – Quem não luta tá morto” terá sete trabalhos comissionados, como o de Virginia de Medeiros, que dá nome à mostra. Os coletivos Amò e #cóleraalegria, assim como Graziela Kunsch, Raphael Escobar, Traplev e Jota Mombaça completam o time de artistas que criaram trabalhos para a exposição. Nomes consagrados, como Anna Maria Maiolino, Claudia Andujar, Paulo Bruscky e Cildo Meireles também participam.

O debate, porém, não ficará restrito às galerias do museu. Para expandir o diálogo, os arquitetos do Estúdio Chão criaram o projeto Transborda, que ocupará os pilotis com estruturas lúdicas e arquibancadas onde acontecerão encontros, debates e atividades da Escola do Olhar. O evento de abertura contou com com shows, performances, intervenções artísticas, entre outras atividades culturais.
Projeções: VJ Lê Pantoja
16h – 21h – Feira com Refugiados (Mawon)
16h – 17h30 – DJ Tata Ogan
17h30 – 17h50 – Mawon convida Rebel Layonn (Haiti), Bob Selassie
(Haiti) e Papa Babouseck (Senegal)
17h30 – 18h10 – Intervenção Passinho – Poesia dos Pés (Pavilhão)
17h50 – 17h55 - Poetas Favelados
17h55 – 18h10 - Dj Seduty (Funk)
18h10 – 18h30 – Intervenção Passinho – Poesia dos Pés (Pilotis)
18h30 – 18h40 – DJ Tata Ogan
18h40 – 19h10 - Bia FerreiraDoralyce
19h10 – 19h15 - Poetas Favelados
19h15 – 19h35 – DJ Tata Ogan
19h35 – 19h50 – Tipoema: Movimento 5 (Claudio Santos, Fabiano Fonseca e Sérgio Mendes)
19h50 – 20h – “e para que poetas em tempo de pobreza?” 2018 (Carlos Adriano)
20h – 21h – (Pocket Show) Jards Macalé

E mais uma vez tivemos a possibilidade de mostrar a performance Tipoema, agora no seu Movimento 5. Um remix, para dar visibilidade a fragmentos do uso da tipografia em forma de manifestos, desde sua origem nas Minas Gerais e no Rio de Janeiro, passando pelas vanguardas, até os dias de hoje através dos coletivos artísticos. Dessa vez a carregamos uma Doblô em Belo Horizonte, com a prensa centenária do Sr. Sebastião do Vale do Jequitinhonha e levamos para um público maior o que essa tecnologia ainda tem a dizer, junto com Fabiano Fonseca, Alessandra Maria Scores e Marcelo Braga. Os impressos da Cantiga de Nossa Senhora do Manifesto, do poeta Affonso Ávila, foram entregues ao público durante a performance.

Categoria: Animação, Editorial, Evento, Exposição, Identidade Visual, Museus, Performance, Sinalização, Tipografia em 19/09/2018    


 

Ágora / Saramenha Artes e Ofícios


Das origens ancestrais, européias e das américas, africanas, indígenas, brasileiras, mineiras, barrocas e modernistas. A Tipografia LIBERDADE continua sua trajetória centenária, que veio do rio Araçuaí até Jequitinhonha, passando por Belo Horizonte. No dia 12 de outubro de 2017 se instalou em Ouro Preto para se conectar mais profundamente com uma história que revela o ato da fala, das mãos, do gesto, do barro, do fogo, da madeira, do papel, da tinta e dos metais. Um novo espaço para toda forma de impressão e expressão e para uma melhor compreensão da nossa história através de experiências artísticas, educativas e culturais !!!

O espaço da Saramenha de Artes e Ofícios, localizado em Santo Amaro de Botafogo à 5 quilômetros de Ouro Preto já se propõe como um museu vivo e é voltado para o resgate dos antigos ofícios, principalmente ao manter ativo um tipo de se produzir cerâmica vitrificada, técnica que Padre Viegas (o pioneiro da tipografia no Brasil), trouxe de Portugal ao retornar em 1802, conforme descrito por Paulo Rogério Ayres Lage no livro “Cerâmica Saramenha – A Primeira Manufatura de Minas Gerais”. Aqui se deu a liga necessária para esse reencontro de técnicas em seu local de origem.

Nos dias 21 e 22 de julho de 2018 aconteceu a Oficina ÁGORA de Tipografia, lá na Cerâmica Artes e Ofícios e como ação integrada ao Festival de Inverno de Ouro Preto, Mariana e Região. Reinaugurada a Tipografia Liberdade, utilizando também equipamentos da Tipografia do Zé, 62 pontos e TipoLab-ED/UEMG. Final de semana produtivo com mais um ponto vivo da #redetipográfica.

Mais um passo do projeto ÁGORA que vem sendo construído há algum tempo. Foi também o momento de recolocar a Tipografia Liberdade em funcionamento novamente, agora num contexto que conecta passado e presente. Veja o processo de Restauração da Tipografia Liberdade >>

Categoria: Curso, Evento, Exposição, Festival, Gastronomia, Museus, Oficina, Palestra, Tipografia, Video em 26/07/2018    


 

Tipoema – Movimento 3

PERFORMANCE MECÂNICO/ANALÓGICO/DIGITAL
TIPOEMA – MOVIMENTO 3
POSLING – CEFET – MG  | 10 Anos
Belo Horizonte  | 19/06/2018

Tipografia e poema em movimento. Tipos animados, letras em marcha, o prelo feito agito. Tipografia e poesia: resistência. Deslocamento, a prensa pensa o movimento da tela. Um dispositivo mecânico – o braço – é o ponto de partida. Arranca, sobe o rolo, desce a tinta sobre a rama. Imprime-se sobre o papel, enquanto a tela, sob o comando do dispositivo acoplado à prensa – e ao som do momento – passa. Imagens estáticas e em movimento. O analógico e o digital, simultâneos. Transposição intersemiótica, semioses, simbioses.
O som da máquina, a música como elemento narrativo. E, na orquestração do movimento, a presença, a performance dos corpos. O tipógrafo transmídia, atravessado por diversas linguagens. O tipógrafo performer, poeta, guerrilheiro. O tipógrafo do ar, cheio de sonhos, em busca de um novo mundo, utópico e feliz. Ao fim, a impressão de que lutar é preciso, pois dias melhores virão. (Sérgio Antônio Silva)
——
A partir do vídeo Tipoema de:
Cláudio Santos Rodrigues e Leonardo Rocha Dutra
Com Trilha Sonora original de:
Lucas Miranda
Animado e montado por:
Cláudio Santos Rodrigues, João Victor de Oliveira,
Leonardo Rocha Dutra e Luís Morici
Com Poema de:
Guilherme Mansur

——
PERFORMANCE
Narrativa:
Cláudio Santos Rodrigues e Sérgio Antônio Silva
Sistema Prensa TIPOGRÁFICA + Audiovisual:
Impressão e Performance: Cláudio Santos Rodrigues
Programação de Software: Sérgio Mendes
Sistema Live AV / VJ:
Fabiano Fonseca
Trilha incidental, sampler e remix:
Vinícius Cabral
Impressão tipográfica:
Pedro Sako e Tatiane Quintino
——

Conteúdos extraídos:
Livros: Homem ao termo – Affonso Ávila – Poesia Reunida (1949 – 2005)
Macunaíma – Mário de Andrade
Manifestos, revistas, periódicos, jornais e impressos:
MUNDO: COMUNISTA / FUTURISTA / DADAÍSTA / SITUACIONISTAS / INTERNACIONAL LETRISTA / BAUHAUS IMAGINATIVA /  COLÉGIO DA PATAFÍSICA  /  FLUXUS /  PROVOS / CONCRETO / MAIL ART  / PUNK  / NEOISMO  / CLASS WAR / PANTERAS NEGRAS / FEMINISTA / JIM JARMURSH
BRASIL: JORNAIS E PERIÓDICOS DE MARIANA E OURO PRETO / ANTROPÓFAGO / PAU-BRASIL /  RUPTURA  / GRUPO VANGUARDA / NEOCONCRETO  / MAMÃE BELAS-ARTES  / REVISTA KLAXON / REVISTA MALASARTES / A REVISTA / POEMA DE PROCESSO
BELO HORIZONTE: DEVAGAR  /  GRÁFICA TÁTICA / TIPOLAB / 62 PONTOS ESPAÇO GRÁFICO
Eleonora Santa Rosa, Tipografia Ouro Preto, Escola de Design UEMG, Posling – CEFET/MG, Saramenha Artes e Ofícios
——
EDIÇÃO DO VÍDEO DE REGISTRO:
Cláudio Santos Rodrigues
CAPTURA DE VÍDEO:
Isabela Prado
Marcelo Braga de Freitas
TRILHA SONORA DA ABERTURA E ENCERRAMENTO:
TIPOBEAT/MANIFESTO_1
Trecho de audiocolagem feita por VCR a partir  dessa performance com samplers diversos e iconografias  auditivas relacionadas a grandes manifestos do séc. XX e XXI  e ao universo contemporâneo digital.
Categoria: Animação, Evento, Experimental, Performance, Sistema, Tipografia, Video em 18/07/2018    


 

Cartografia Imaginária – A Cidade e suas Escritas


A exposição “CARTOGRAFIA IMAGINÁRIA: a cidade e suas escritas” tem como eixo curatorial um olhar contemporâneo sobre a história urbana e literária de Belo Horizonte. Baseada na ideia de “mapas literários”, a mostra investiga as relações entre cidade concreta e cidade imaginária, num jogo de significados que envolve afirmações e ausências, contaminações e recusas.  A exposição faz parte de um projeto mais amplo, chamado Belo Horizonte: cidade literária, uma plataforma de ações culturais transdisciplinares que discutem o espaço urbano e as escritas produzidas sobre a cidade.

Com curadoria de Maurício Meirelles e de Marconi Drummond explora interseções da literatura com as demais linguagens artísticas e seu objetivo é mostrar como, paralelamente ao espaço urbano e às formas objetivas de representá-lo, uma outra cidade, feita de palavras e imagens, vem sendo construída pela imaginação de seus narradores. Em parceria com os curadores a Voltz foi responsável pela identidade visual, sinalização expositiva e projeto audiovisual.



A partir de um acervo múltiplo, constituído por elementos iconográficos (mapas, pinturas, fotografias, lambes, stickers etc.), literários (primeiras edições de livros, jornais e revistas; poemas e trechos de narrativas), audiovisuais (vídeos, animações) e de artes visuais, a intenção da curadoria é lançar um olhar contemporâneo sobre a história urbana da capital.


Categoria: Animação, Editorial, Exposição, Identidade Visual em 28/05/2018    


 

Vale das Palmeiras Orgânicos

A Vale das Palmeiras está de cara nova,  mas sem perder os valores que sustentam sua vocação! Uma história de mais  de vinte anos, que se renova dia após dia, na busca por uma alimentação mais consciente e sustentável!

A Voltz se juntou nessa causa com a Vale das Palmeiras há quase 2 anos. Participamos ativamente dessa trajetória de mudança que vai da identidade visual, à criação de novas embalagens e da manutenção estratégica da presença digital. Relembramos essa trajetória, iniciando pelo contato que veio através do pesquisador Joaquim Araújo, também conhecido como Quincas, que fez seu doutorado em Ecologia, Conservação e Manejo da Vida Silvestre pela UFMG, que junto a outros pesquisadores da conservação criou o Instituto Biotrópicos. Conhecemos Quincas quando desenvolvemos o projeto para a Rede Educativa Inhotim, época em que ele era também o diretor do Jardim Botânico do Inhotim.

A partir de um longo período de encontros, reuniões, conversas, percebemos que compartilhávamos de valores semelhantes. Tanto a Alessandra e o Cláudio (Voltz), como Quincas (através da Biotrópicos e Campeira) e Marcos Palmeira (Vale das Palmeiras) traziam na bagagem 19 anos de experiência e muito trabalho relacionado ao universo  de boas causas junto  ao meio-ambiente, da alimentação saudável ligada a produção de alimentos orgânicos. Dessa forma, vimos que juntos poderíamos contribuir com um projeto de médio prazo, onde teríamos o desafio de pensar longe,  a partir de ações pontuais, além de lidar com um artista reconhecido tanto por seu trabalho de ator, como também por suas ações pioneiras no mundo da produção de orgânicos.

ECOSSISTEMA VALE DAS PALMEIRAS

Como metodologia de trabalho desenvolvemos um mapeamento do Ecossistema da Vale, através de um infográfico que permitia ter uma visão sistêmica e holística de tudo que já vinha sendo construído ao longo destes anos. Com essa visão geral, conseguimos acessar os processos e as relações existentes. Era uma realidade complexa que necessitava de uma reorganização. Foi necessário reduzir e potencializar a presença digital ativando lugares distintos para Marcos Palmeira ator e pessoa física, além de unificar o projeto Vale das Palmeiras (Armazém e Fazenda). Também criamos e ativamos um grupo aberto e público no facebook (Rede Orgânicos Brasil) com a intenção de  aproximar pessoas com os mesmos interesses. A Rede, hoje, conta com mais de 1300 pessoas, desde produtores, consumidores e interessados neste universo.

NARRATIVA DOS 5 ELEMENTOS

Em 2017, após uma imersão de 2 dias com toda equipe na Fazenda, localizada em Teresópolis, partimos para um plano de trabalho que dialogasse com o conceito dos 5 elementos. Além da criação de uma paleta de cores para cada área, estabelecemos relações ligadas a cada propósito de atuação. Transportamos esses princípios para narrativa que seria contada nas redes sociais (facebook e instagram) ao longo do ano.

PLANEJAMENTO DE PUBLICAÇÕES, ANÁLISE DE MÉTRICAS E FOTOGRAFIAS
Para cada mês fizemos um planejamento baseado no diagrama dos 5 elementos. A  partir da análise de métricas e de um estudo sobre a maior frequência de tipos de imagens, em negócios correlatos, começamos a dar destaque aos produtos em diálogo com os elementos que fortalecessem a essência da marca: imagens da fazenda, bucolismo rural, rio de janeiro com enfoque nos enquadramentos da região do jardim botânico, gávea, mata da tijuca, enaltecendo a beleza natural pujante da cidade do rio (menos praia e mais floresta). A análise de métricas, realizada por Gustavo Baldez, nos mostrou uma evolução de participação, incluindo aí interações mais qualificadas. Entretanto, apontou para necessidade de maior esforço em engajamento, a partir de temas que despertassem atenção e provocassem interação. Vale ressaltar que as publicações com maior desempenho foram aquelas onde apareceram pessoas relacionadas aos ofícios da terra junto aos produtos.

Em relação à produção de imagens, partimos, inicialmente, utilizando o banco de dados do fotógrafo carioca Ronaldo Nina em diálogo com fotos que tiramos nas visitas à fazenda, produções conceituais de produtos realizadas por Alessandra Maria Soares e com destaque para vídeos realizados pelo próprio Marcos e por Gabi Gastal, assim como de fotos enviados diretamente da fazenda pelo agricultor Fernando Viana.

IDENTIDADE VISUAL, EMBALAGENS E PRESENÇA FÍSICA
O logotipo da Vale das Palmeiras já existia quando chegamos e consideramos que o mesmo já tinha sua própria personalidade. Partimos então para a padronização do uso de uma tipografia, para posteriormente, migrar todos os conceitos desenvolvidos para as mais diversas aplicações. Com isso fomos dos uniformes do laticínio para o Armazém, que  foi embalado com uma roupagem que valorizava as informações da vitrine.


Em relação aos produtos produzidos da Vale, quando chegamos alguns já existiam com embalagens que possuíam diferentes identidades. Começamos a atuar nos rótulos para as embalagens do queijo e requeijão. No final de 2017, em função da nova configuração empresarial que tomava forma, optou-se pela criação de uma nova identidade visual, aplicada inicialmente, nas embalagens valorizando o nome através de uma nova tipografia sem serifa. Mantivemos a imagem do Marcos Palmeira através de uma ilustração e não mais por fotografia. Para essa nova fase, sob a coordenação do Quincas e com direção de criação de Alessandra M. Soares, contamos com a participação dos designers André Travassos, Rodrigo Marchezine e do ilustrador Max Duarte, com produção gráfica de Renato Moura.

DECMORATIZAÇÃO DO ACESSO VIA PLATAFORMAS ONLINE
A partir de 2018, a Vale das Palmeiras iniciou um novo ciclo, com uma nova estratégia traçada por Marcos e equipe da Campeira/Rehagro (Fábio, Rafael, Quincas e Guilherme Lamego). Com o objetivo de tornar mais acessível todos seus produtos (de laticínos a legumes, frutas e hortaliças) foi estabelecida uma nova parceria com o @clubeorganicorj, que passou a assumir toda a logística de entrega com maior comodidade para todos da cidade do Rio de Janeiro. E para este novo momento, fomos apresentando as novidades aos poucos nas redes sociais, até colocar o novo site no ar, que apresenta todo o ecossistema, sua missão, a fazenda, os produtos e parceiros. A coordenação de desenvolvimento e design foi realizado por Cláudio Santos com a produção de textos por Quincas e com a colaboração de Patrícia Reis e Pedro Ayres, além do desenvolvimento pela Nautilos Marketing Digital.

NOSSA NATUREZA
Agora é o momento de avançar no desenvolvimento de novos produtos e mantemos conectados à Vale das Palmeiras e com seus princípios, conforme descrito no site. “A Vale das Palmeiras acredita na reconexão das pessoas aos alimentos de qualidade, a partir da percepção de que se alimentar é um ato agrícola. Entendemos que a boa alimentação vai além das necessidades fisiológicas. Alimentação é a escolha que fazemos para nutrir a alma. É a escolha pelo mundo que queremos ser e viver. Produzimos e comercializamos orgânicos certificados de qualidade desde 1997. Temos o compromisso de fornecer produtos saborosos e saudáveis. Para isso, mantemos uma rede qualificada de fornecedores e parceiros que, como nós, praticam e multiplicam sustentabilidade.”

Que essa parceria nos faça colher sempre bons frutos!!!

Visite o site >> www.valedaspalmeiras.com.br

Categoria: Gastronomia, Identidade Visual, Internet, Plataforma, Website em 16/04/2018    


 

Céu Modernista – Painel de Cobogós – Sede Energisa MG / Cataguases

O DESAFIO
Temos um relacionamento com Cataguases desde 2007, quando a produtora Karla Guerra nos indicou para Cesar Piva do Instituto Fábrica do Futuro. Ele nos procurou para desenvolver o site do projeto Webvisão. De lá pra cá, nestes mais de 11 anos trabalhando em conjunto, nos tornamos parceiros e participamos de vários projetos. Hoje fazemos parte ativamente do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais. Com trajetória reconhecida, sobretudo, através de grandes produções realizadas a partir de 2010, o POLO é reconhecido em 2012 como APL (Arranjo Produtivo Local) reunindo realizadores, produtoras, e uma ampla rede de cooperação com a sociedade civil, universidades, empresas e governos. A Energisa é a principal empresa privada, parceira e patrocinadora do Polo Audiovisual da Zona da Mata.
Foi assim que conhecemos Mônica Botelho, presidente da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, mantida pelo grupo Energisa. Trabalhamos nos projetos de comunicação e estratégicos do POLO e no ano de 2017 a Voltz foi responsável também pelo desenvolvimento do site da Fundação, que comemorou seus 30 anos. Um trabalho importante que marca uma trajetória e revela a dimensão dos projetos desenvolvidos pela Fundação em Minas e no Brasil. Essa aproximação e envolvimento gerou o convite para que juntos,  pudéssemos pensar um painel para a fachada da sede da Energisa em Minas Gerais na zona industrial de Cataguases.
Paulo Rogério Lage (Relações Públicas do Grupo Energisa e proprietário da Saramanenha Artes e Ofícios) junto com Mônica Botelho, definiram qual seria o modelo de Cobogó a ser utilizado. Foi escolhido o modelo Twist da Burguina Cerâmicas Artísticas. O ideia é que teríamos que trabalhar com 3 cores: azul, amarelo e branco. A partir daí foram vários estudos e visitas técnicas dada a importância do projeto e em função do legado histórico da cidade de Cataguases. Outro fator de relevância seria realizar este projeto no ano de 2017, quase 90 anos depois do início do movimento modernista.
O COBOGÓ E O MODERNISMO EM CATAGUASES
O site especializado em arquitetura ArchDaily tem uma boa matéria sobre o legado modernista em Cataguases. “Com uma população com pouco mais de 70 mil habitantes, ao longo de sua história, Cataguases ficou conhecida por reunir uma série de significativas obras artístico-culturais ligadas à produção modernista brasileira a partir do século XX. As importantes obras variam entre as Artes Plásticas, Cinema e, sobretudo, Arquitetura, num panorama de produção entre as décadas de 1940 e 1950.
Do ponto de vista arquitetônico, Cataguases é repleta de particularidades e reafirma o papel social da Arquitetura brasileira, quebrando a ideia de pertencimento apenas ao território em questão, mas, por garantir importante papel histórico, social e construtivo no cenário nacional. Nos variados aspectos e peculiaridades, elementos decorrentes da linguagem moderna europeia difundida por Le Corbusier e a tropicalidade dos elementos presentes nas obras de Oscar Niemeyere Lúcio Costa ganham destaque na arquitetura produzida ao Município, fundindo-se e garantindo nova linguagem.” … “A fachada livre e janelas em fita marcam grande parcela das edificações em questão, entre residências e projetos institucionais, …  adotaram sistemas mais eficazes ao clima brasileiro, como o uso de brises soleil e beiral, na tentativa de controle da luz solar e qualidade térmica. Ainda na tentativa de controle solar, os arquitetos utilizaram com frequência, a adoção de elementos vazados cerâmicos, os chamados COBOGÓS, como elementos e permitindo a entrada de luz natural e brise ao calor, além de sistema de ventilação cruzada.
A ARQUIRTETURA DO PRÉDIO E AS CONSTELAÇÕES DO PAINEL
O projeto arquitetônico dos arrojados prédios da nova sede da Energisa Minas Gerais, tem a assinatura da DBB Arquitetura traz em sua fachada o painel ‘Céu Modernista’, obra que foi criada por Monica Botelho (FCOJB) e Cláudio Santos Rodrigues (VOLTZ) e executada pela equipe da Energisa, comandada pelo engenheiro Vicente Costa e Alexandre.
A ideia original de Mônica era de um padrão gráfico aleatório. Daí conseguimos avançar para um aleatório com conceito. Como um dos principais negócios da Energisa é a distribuição e fornecimento de energia elétrica, buscamos a ideia da luz primordial. A luz das estrelas e as constelações, que guiam e que toda noite está com todos e nos apresenta a possibilidade de ver que estamos inseridos num vasto mundo. Essa grandiosidade reflete o espírito do grupo.
A produção executiva foi realizada por Paulo Rogério Lage e o projeto de iluminação de LED, com consultoria de Pedro Pederneiras, permite que as luzes sejam dimerizadas com gradações diferentes, a partir de um sistema eletrônico controlado remotamente, desenvolvido pela equipe da Tekhne. O painel composto por 1.474 peças cobogós de 20cm x 20cm, é uma homenagem à arquitetura moderna brasileira. ‘Céu Modernista’ tem as dimensões de 14m x 4,60m nas cores azul, branco e amarelo, sendo que as cores claras representam as estrelas e o azul a noite.
O CÉU MODERNISTA

Criamos um grid com os cobogós azuis na escala do projeto e iniciamos uma construção gráfica a partir de uma referência de um céu constelado. As estrelas eram os cobogós brancos e o desenho das constelações foi grafado com os cobogós amarelos. Um elemento importante foi não ficar preso à constelação de um dia ou do ponto-de-vista da cidade ou do local. Porém, um fato curioso que surgiu ao longo do processo, foi a forma que a ideia foi recebida incorporada pelos diretores da empresa. Eduardo Alves Mantovani, diretor-presidente da Energisa Minas Gerais se deu ao trabalho de subir no alto do prédio e através de uma aplicativo de visualização das constelações detectou a constelação de escorpião. Acabamos incluindo mais este elemento no projeto, trazendo uma carga emocional-afetiva e de engajamento com a ideia.

As constelações que inspiraram o painel e que mais podem se aproximar das que são vistas no hemisfério sul estão dispostas da esquerda para a direita: lince, escorpião, gêmeos, peixes, touro, órion, a pomba, o cinzel (caelum), eridanus, o escultor, a baleia, o dourado, aquário e fênix. Podem ser vistas de dia através da composição das cores dos cobogós.

O painel foi inaugurado no dia 26.02.2018, mesma data do início das atividades da Companhia Força e Luz Cataguases/Leopoldina, há 113 anos atrás. A partir de agora, durante todas as noites, as luzes de LED que ficam atrás do painel e que foram programadas em um sistema que permite a variação de intensidade, ilumina e revela as constelações para todos que passam por ali! A ideia agora é trazer dinamismo às variações de intensidade das lâmpadas, valorizando as diferentes formas de visualizar as constelações.
Categoria: Aplicativo, Arquitetura, Experimental, Instalação, Sinalização, Sistema em 24/02/2018    


 

30 anos da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho

Criada em 1987, a Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho é uma entidade cultural mantida pelo Grupo Energisa. A instituição atua na análise técnica e cultural dos projetos incentivados patrocinados pela empresa mantenedora e é responsável pela gestão dos espaços culturais mantidos pela empresa, tais como: o Centro Cultural Humberto Mauro, o Museu Energisa, o Anfiteatro Ivan Müller Botelho, o Memorial Humberto Mauro, localizados em Cataguases (MG); a Casa de Leitura Lya Maria Muller Botelho, em Leopoldina (MG); a Usina Cultural Energisa, em João Pessoa (PB); a Usina Cultural Energisa, em Nova Friburgo (RJ); e o Espaço Energia, em Campo Grande (MS).

A Voltz foi responsável pelo material de divulgação dos eventos comemorativos dos 30 anos incluindo a inauguração da nova sede da Energisa e do painel “ALEGORIA ELÉTRICA”, criação de Rafael Zavagli e execução do Ateliê Telmo Pereira.


Fomos responsáveis também pela implantação da plataforma digital, com o objetivo de dar visibilidade a todas as ações, projetos e espaços culturais  geridos pela Fundação. Criamos um sistema e um banco de dados com diversas filtragens, por cidade, por área de atuação.  Ainda disponibilizamos uma linha do tempo diversos depoimentos em vídeo com os mais diversos envolvidos em todo Brasil.

\

ACESSE O SITE: www.fundacaoormeo.org.br

Categoria: Plataforma, Website em 11/02/2018