Céu Modernista – Painel de Cobogós – Sede Energisa MG / Cataguases

O DESAFIO
Temos um relacionamento com Cataguases desde 2007, quando a produtora Karla Guerra nos indicou para Cesar Piva do Instituto Fábrica do Futuro. Ele nos procurou para desenvolver o site do projeto Webvisão. De lá pra cá, nestes mais de 11 anos trabalhando em conjunto, nos tornamos parceiros e participamos de vários projetos. Hoje fazemos parte ativamente do Polo Audiovisual da Zona da Mata de Minas Gerais. Com trajetória reconhecida, sobretudo, através de grandes produções realizadas a partir de 2010, o POLO é reconhecido em 2012 como APL (Arranjo Produtivo Local) reunindo realizadores, produtoras, e uma ampla rede de cooperação com a sociedade civil, universidades, empresas e governos. A Energisa é a principal empresa privada, parceira e patrocinadora do Polo Audiovisual da Zona da Mata.
Foi assim que conhecemos Mônica Botelho, presidente da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, mantida pelo grupo Energisa. Trabalhamos nos projetos de comunicação e estratégicos do POLO e no ano de 2017 a Voltz foi responsável também pelo desenvolvimento do site da Fundação, que comemorou seus 30 anos. Um trabalho importante que marca uma trajetória e revela a dimensão dos projetos desenvolvidos pela Fundação em Minas e no Brasil. Essa aproximação e envolvimento gerou o convite para que juntos,  pudéssemos pensar um painel para a fachada da sede da Energisa em Minas Gerais na zona industrial de Cataguases.
Paulo Rogério Lage (Relações Públicas do Grupo Energisa e proprietário da Saramanenha Artes e Ofícios) junto com Mônica Botelho, definiram qual seria o modelo de Cobogó a ser utilizado. Foi escolhido o modelo Twist da Burguina Cerâmicas Artísticas. O ideia é que teríamos que trabalhar com 3 cores: azul, amarelo e branco. A partir daí foram vários estudos e visitas técnicas dada a importância do projeto e em função do legado histórico da cidade de Cataguases. Outro fator de relevância seria realizar este projeto no ano de 2017, quase 90 anos depois do início do movimento modernista.
O COBOGÓ E O MODERNISMO EM CATAGUASES
O site especializado em arquitetura ArchDaily tem uma boa matéria sobre o legado modernista em Cataguases. “Com uma população com pouco mais de 70 mil habitantes, ao longo de sua história, Cataguases ficou conhecida por reunir uma série de significativas obras artístico-culturais ligadas à produção modernista brasileira a partir do século XX. As importantes obras variam entre as Artes Plásticas, Cinema e, sobretudo, Arquitetura, num panorama de produção entre as décadas de 1940 e 1950.
Do ponto de vista arquitetônico, Cataguases é repleta de particularidades e reafirma o papel social da Arquitetura brasileira, quebrando a ideia de pertencimento apenas ao território em questão, mas, por garantir importante papel histórico, social e construtivo no cenário nacional. Nos variados aspectos e peculiaridades, elementos decorrentes da linguagem moderna europeia difundida por Le Corbusier e a tropicalidade dos elementos presentes nas obras de Oscar Niemeyere Lúcio Costa ganham destaque na arquitetura produzida ao Município, fundindo-se e garantindo nova linguagem.” … “A fachada livre e janelas em fita marcam grande parcela das edificações em questão, entre residências e projetos institucionais, …  adotaram sistemas mais eficazes ao clima brasileiro, como o uso de brises soleil e beiral, na tentativa de controle da luz solar e qualidade térmica. Ainda na tentativa de controle solar, os arquitetos utilizaram com frequência, a adoção de elementos vazados cerâmicos, os chamados COBOGÓS, como elementos e permitindo a entrada de luz natural e brise ao calor, além de sistema de ventilação cruzada.
A ARQUIRTETURA DO PRÉDIO E AS CONSTELAÇÕES DO PAINEL
O projeto arquitetônico dos arrojados prédios da nova sede da Energisa Minas Gerais, tem a assinatura da DBB Arquitetura traz em sua fachada o painel ‘Céu Modernista’, obra que foi criada por Monica Botelho (FCOJB) e Cláudio Santos Rodrigues (VOLTZ) e executada pela equipe da Energisa, comandada pelo engenheiro Vicente Costa e Alexandre.
A ideia original de Mônica era de um padrão gráfico aleatório. Daí conseguimos avançar para um aleatório com conceito. Como um dos principais negócios da Energisa é a distribuição e fornecimento de energia elétrica, buscamos a ideia da luz primordial. A luz das estrelas e as constelações, que guiam e que toda noite está com todos e nos apresenta a possibilidade de ver que estamos inseridos num vasto mundo. Essa grandiosidade reflete o espírito do grupo.
A produção executiva foi realizada por Paulo Rogério Lage e o projeto de iluminação de LED, com consultoria de Pedro Pederneiras, permite que as luzes sejam dimerizadas com gradações diferentes, a partir de um sistema eletrônico controlado remotamente, desenvolvido pela equipe da Tekhne. O painel composto por 1.474 peças cobogós de 20cm x 20cm, é uma homenagem à arquitetura moderna brasileira. ‘Céu Modernista’ tem as dimensões de 14m x 4,60m nas cores azul, branco e amarelo, sendo que as cores claras representam as estrelas e o azul a noite.
O CÉU MODERNISTA

Criamos um grid com os cobogós azuis na escala do projeto e iniciamos uma construção gráfica a partir de uma referência de um céu constelado. As estrelas eram os cobogós brancos e o desenho das constelações foi grafado com os cobogós amarelos. Um elemento importante foi não ficar preso à constelação de um dia ou do ponto-de-vista da cidade ou do local. Porém, um fato curioso que surgiu ao longo do processo, foi a forma que a ideia foi recebida incorporada pelos diretores da empresa. Eduardo Alves Mantovani, diretor-presidente da Energisa Minas Gerais se deu ao trabalho de subir no alto do prédio e através de uma aplicativo de visualização das constelações detectou a constelação de escorpião. Acabamos incluindo mais este elemento no projeto, trazendo uma carga emocional-afetiva e de engajamento com a ideia.

As constelações que inspiraram o painel e que mais podem se aproximar das que são vistas no hemisfério sul estão dispostas da esquerda para a direita: lince, escorpião, gêmeos, peixes, touro, órion, a pomba, o cinzel (caelum), eridanus, o escultor, a baleia, o dourado, aquário e fênix. Podem ser vistas de dia através da composição das cores dos cobogós.

O painel foi inaugurado no dia 26.02.2018, mesma data do início das atividades da Companhia Força e Luz Cataguases/Leopoldina, há 113 anos atrás. A partir de agora, durante todas as noites, as luzes de LED que ficam atrás do painel e que foram programadas em um sistema que permite a variação de intensidade, ilumina e revela as constelações para todos que passam por ali! A ideia agora é trazer dinamismo às variações de intensidade das lâmpadas, valorizando as diferentes formas de visualizar as constelações.
Categoria: Aplicativo, Arquitetura, Experimental, Instalação, Sinalização, Sistema em 24/02/2018    


 

30 anos da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho

Criada em 1987, a Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho é uma entidade cultural mantida pelo Grupo Energisa. A instituição atua na análise técnica e cultural dos projetos incentivados patrocinados pela empresa mantenedora e é responsável pela gestão dos espaços culturais mantidos pela empresa, tais como: o Centro Cultural Humberto Mauro, o Museu Energisa, o Anfiteatro Ivan Müller Botelho, o Memorial Humberto Mauro, localizados em Cataguases (MG); a Casa de Leitura Lya Maria Muller Botelho, em Leopoldina (MG); a Usina Cultural Energisa, em João Pessoa (PB); a Usina Cultural Energisa, em Nova Friburgo (RJ); e o Espaço Energia, em Campo Grande (MS).

A Voltz foi responsável pelo material de divulgação dos eventos comemorativos dos 30 anos incluindo a inauguração da nova sede da Energisa e do painel “ALEGORIA ELÉTRICA”, criação de Rafael Zavagli e execução do Ateliê Telmo Pereira.


Fomos responsáveis também pela implantação da plataforma digital, com o objetivo de dar visibilidade a todas as ações, projetos e espaços culturais  geridos pela Fundação. Criamos um sistema e um banco de dados com diversas filtragens, por cidade, por área de atuação.  Ainda disponibilizamos uma linha do tempo diversos depoimentos em vídeo com os mais diversos envolvidos em todo Brasil.

\

ACESSE O SITE: www.fundacaoormeo.org.br

Categoria: Plataforma, Website em 11/02/2018    


 

Videoanimação para a exposição de Ana Amélia Diniz – FUGA

A partir do convite dos curadores a animação desenvolvida e elaborada com total liberdade por Cláudio Santos Rodrigues e Leonardo Rocha Dutra, fez com que este trabalho de Ana Amélia, atuasse como uma “artista-escriba que constrói uma espécie de um pórtico videográfico povoado de linguagem pictográfica no qual se nota o retorno dos seres híbridos”.

Nas palavras dos curadores Fabôla Moulin e Marconi Drummond, a exposição FUGA, articula “os desenhos e as cerâmicas, o terceiro excerto da exposição conforma-se na apresentação de uma videografia elaborada a partir de desenhos depositados em inúmeros cadernos da artista e transportados para a linguagem do vídeo.”


Veja os estudo de composição e animação a partir de grid digital do display de LCD da Casa Fiat de Cultura.


Categoria: Animação, Exposição em 10/02/2018    


 

Plataforma digital para Universidade das Crianças – UFMG

Em 2012, desenvolvemos a primeira versão da plataforma da Universidade das Crianças na tecnologia flash. Em 2016, fomos convidados novamente por Débora D’Ávila, coordenadora do projeto, para reestruturar o site, com novas implementações tecnológicas além de tornar sua navegação amigável com os dispositivos móveis.

O projeto envolve professores / pesquisadores e alunos dos cursos de Belas Artes, Ciências Sociais, Comunicação Social, Ciências Biológicas, Fisioterapia e Medicina, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). No site você  vai encontrar algumas perguntas feitas por crianças, que foram transformadas em programas de áudio e vídeos de animação. Para algumas delas, a ciência tem uma resposta. Para outras, não.  Através de uma navegação horizontal, é possível ver as mídias, os colaboradores e a origem das perguntas.

Acesse o site e divirta-se: http://www.universidadedascriancas.org

Categoria: Animação, Internet, Plataforma, Website em 09/02/2018    


 

INDIE 2017

Boa sorte ao Indie e aos amantes do cinema revolucionário deste mundo

Assim começa o texto de Francesca Azzi curadora do Festival há 17 anos.

“Há 17 anos nos perguntamos o que queremos ser como um festival de cinema independente. Há 17 anos a resposta parece estar cada vez mais clara. Com as últimas reviravoltas políticas do país, perdemos a inocência. O INDIE se tornou adulto apesar de ainda não ter alcançado sua maioridade. Se antes nos perguntávamos que tipo de festival gostaríamos de ser, sem seguir formatos prontos, sem sofrer com as forças políticas e econômicas que nos colocavam desafios para nossa existência, hoje queremos seguir sendo o que construímos, ao longo do tempo, como ideia, mas sem abrir mão de nossa liberdade curatorial ou do nosso quase “estatuto” de que um festival precisa necessariamente de conceitos e de filmes que questionem e revigorem o próprio cinema. Um festival como o INDIE pensa em cada escolha, e são elas que tecem os meandros de nossa especificidade enquanto um festival.”

Queremos ser o que somos, e do tamanho que somos, não há nenhuma outra intenção aqui que não a de trazer o pensamento contemporâneo sobre o cinema através dos filmes, dos conteúdos dos filmes, dos diretores dos filmes e da história do cinema. Esta é nossa maneira de fazer política. Um festival é em si um ato político – o cinema é algo que pode revolucionar a maneira de pensar do indivíduo, trazê-lo para um mundo mais íntegro que respeita as diferenças individuais e culturais, que complexifica a vida ordinária para trazer à luz a liberdade estética e experimental.  O cinema pode servir a uma experiência libertadora, e abrir para infinitas possibilidades do pensamento.”

O cineasta homenageado este ano foi o francês Philipe Garrel, que nos inspirou com seu cinema intimista. “Marcado pelo preto & branco, pelo silêncio mortal das entrelinhas, por uma música poética ou dramática, e pelo enigma que ilumina a metáfora feminina. E assim será desde sempre.”… Além disso, o espírito de seus filmes dialogam com a proposta de sempre do Indie, de resistir e fazer da forma que seja possível. “Há um consenso entre críticos e teóricos franceses … de que a obra de Garrel poderia ser dividida em dois grandes momentos. Na primeira fase marcadamente mais experimental teríamos os primeiros filmes, que ele mesmo, Garrel, denominaria como realizados nos “anos obscuros” de 1969 a 1979, sem recursos, de maneira mais underground, apoiado pelo grupo de amigos de uma geração que viveu intensamente o maio de 1968 na França.”

O catálogo permitiu conhecer ainda mais o cineastas a partir de vários textos e entrevistas.

Para a identidade de 17 anos anos, bem vividos de forma resiliente e potente, buscamos os detalhes que está no nosso entorno. O que fica ao nosso redor e que nem sempre percebemos. Rastros, fragmentos e sutilezas. Algumas das imagens utilizadas foram produzidas há mais de 7 anos e que agora se revelam para dar vida e trazer o sentimento desta edição.

A marca deste ano parte de letras escritas com pedaços de gravetos e folhas secas. A composição final tratada digitalmente é uma colagem gráfica dessas proposições. A tipografia dos títulos foi uma “typewriter” para remeter ao caráter analógico do texto original. Criamos também um manifesto tipográfico que norteou o processo de criação e a produção fotográfica realizada por Cláudio Santos.

Outra inspiração veio de alguns filmes de Philippe Garrel, onde os papéis de parede com motivos florais aparecem. Eles nos remeteram a uma memória afetiva de elementos que fazem, ou faziam parte da nossas vidas e do nosso imaginário. Daí criamos uma padronagem para a “guarda” do catálogo, a partir de flores secas guardadas por Alessandra Maria Soares por algum tempo. Essa é única parte colorida dos elementos gráficos que produzimos.

Identidade visual, peças gráficas, sinalização, vinheta e website: voltz design
Direção de criação e produção: alessandra maria soares, cláudio santos
Designers: andré travassos, cláudio santos, jenifer abad
Produção gráfica: renato moura
Vinheta: cláudio santos rodrigues (direção), leonardo rocha dutra (animação), bernardo bauer e renato moura (trilha sonora) – voz de emmanuelle riva em liberté, la nuit de philippe garrel.
Categoria: Animação, Editorial, Evento, Experimental, Filme, Identidade Visual, Sinalização, Tipografia em 17/09/2017    


 

25º Fumec Forma Moda

A Voltz é mais uma vez responsável pelo processo de realização do TCC do curso de design de Moda da Universidade FUMEC, que é coordenado por Antônio Fernando Batista dos Santos. Além da produção executiva, direção de arte e identidade visual, cuidamos também de todo desfile e backstage, além da  parte técnica e da gestão de conteúdo para exibição ao vivo durante os desfiles.


Para tornar ainda mais agradável a experiência e a visita de nossos convidados durante o 25º Fumec Forma Moda, teremos um pocket show nos intervalos dos desfiles com o artista belorizontino LEAAN. Com curadoria de André Travassos e de Alessandra Maria Soares da Voltz Design, LEAAN mostra algumas das composições do seu primeira disco intitulado “L” que será lançado ainda esse ano. Conheça mais sobre o artista: Leaan “L” álbum de destreia do cantor mineiro conta com produção de Leonardo Marques.

Em seu álbum de estréia o mineiro Leaan, compositor e intérprete dono de uma das mais belas vozes da cena musical de BH, traz músicas que transitam por assuntos como auto-afirmação, romantismo e sexualidade oprimida. Com 8 faixas e previsão de lançamento para o fim de 2017, o disco conta com a produção de Leonardo Marques (Transmissor) e tem influências que vão de Madonna, Silva, Jaloo e Mahmundi, evidenciando a atmosfera dançante que norteia todo o trabalho.

A letra “L”, que dá título ao disco, além de ser a primeira do seu nome, está relacionada a palavras que o artista utiliza para orientar esse caminho, segundo o próprio: “É a primeira letra de palavras que regem o meu atual estado de espírito: “Liberdade”, “Luta”, “Libido”, “Luz”, “Longevidade”, “Lealdade”.

A auto-superação é inspiração constante em suas composições e traz muito da sua vontade de usar a música como forma de conectar: “Além de cantar, criar melodias, experimentar diferentes sons, queria escrever não só sobre mim, mas sobre o meu tempo. Não só a minha realidade, mas a de quem está ao meu redor. Aprender, levantar a minha voz e ajudar a quem precisa falar mais alto. Dar mais uma voz a minha geração”, conclui. (Por Rogério Dias – Aclive Comunicação & Projetos)

Todo ano a Voltz é responsável também pela curadoria do lounge, com a presença de instalações, exposições, produtos de novos designers e djs e também pela parte de gastronomia. Dessa vez o evento foi realizado no Casa Tua, no Bairro Jardim Canadá e contamos com a presença dos parceiros de sempre.

Ficha técnica:

CONCEPÇÃO: Antônio Fernando Batista dos Santos e Rosangela Brandão Mesquita

COORDENAÇÃO GERAL, PRODUÇÃO EXECUTIVA, DIREÇÃO ARTÍSTICA, IDENTIDADE VISUAL E DESIGN GRÁFICO: Voltz Design

DIREÇÃO GERAL E. CURADORIA: Alessandra M. Soares

DIREÇÃO TÉCNICA:  Cláudio Santos Rodrigues

DESIGN: André Travassos

CENOGRAFIA:  Alexandre Rousset

VIDEOCENOGRAFIA:  Fabiano Fonseca

FOTOS: Fernando Biagioni

PRODUÇÃO: Renato Moura

PRODUÇÃO TÉCNICA: Mayko Youssef  e Mylene Youssef Aziz Vieira

ASSESSORIA DE IMPRENSA: Salamandra Comunicação / Heloísa Aline

DIREÇÃO DE DESFILES: Rodrigo Cezário

COORDENAÇÃO DE CAMARIM: Alzira Calhau

BEAUTY: Cacá Zech

Categoria: Curadoria, Fashion, Identidade Visual, Moda, Música, Performance, Sinalização, Voltz em 05/07/2017    


 

Hermes Pardini – Videowall e Identidade Visual para Stand

A partir do desenvolvimento da instalação audiovisual “Desmedido Humano”, que realizamos para o Hermes Pardini no CCBB-BH, fomos convidados para criar a Identidade Visual do Stand para a principal feira do segmento.

Hermes Pardini – Sinalização Audiovisual para Stand

A partir de projeto da arquiteta Isabela Vecci de BH, realizamos um trabalho em parceria com a empresa de montagem Poli Design de São Paulo. O resultado do ficou diferenciado ao utilizar materiais inusitados e soluções visuais. impactantes.

Hermes Pardini – Videowall e Identidade Visual para Stand

Além do Stand principal ainda sinalizamos a sala de treinamento com conteúdo dinâmico que anunciava a programação diária.

Ficha Técnica:

Idealização e Realização: Departamento de Comunicação Hermes Pardini
Direção de Criação e Produção: Alessandra M. Soares e Cláudio Santos Rodrigues
Projeto Arquitetônico: Isabela Vecci
Design: Luis Felipe Bacarense
Edição de imagens videowall: Henrique Roscoe
Trilha sonora: O.ST Trilhas
Edição de conteúdo informativo dinâmico: Marco Nick
Projeto Técnico, 3D e Execução: Poli Design (SP)

Categoria: Animação, Evento, Identidade Visual, Instalação, Video em 15/06/2017    


 

A Família Dionti – Experiência Transmídia no Polo Audiovisual da Zona da Mata

Através de uma iniciativa do Polo Audiovisual da Zona da Mata / Instituto Fábrica do Futuro foi desenhada a ideia da Aceleradora Transmídia, conectando mídias digitais e educação, com patrocínio da Energisa, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura (MG), e parcerias com BH-TEC e Sebrae-MG.

Entre seus objetivos, estão: a expansão da experiência cultural e audiovisual; o desenvolvimento de novos produtos e formatos; a construção de uma plataforma digital de produção e gestão em rede; consultorias e mentorias criativas especializadas; assessorias técnicas, gerenciais e jurídicas; modelagem de novos negócios e mercados; plano de Comunicação Integrada; fórum e redes de relacionamentos; prospecção de investidores e captação de recursos.

O filme “A Família Dionti”, direção do cineasta e Alan Minas e produção da Caraminhola Filmes, foi escolhido para que fizéssemos a ativação  de sua comunicação por seu forte apelo para a área de educação e pela delicadeza no trato de temas como a adolescência, o amor e a morte. A estratégia transmídia aplicada visava ampliar a presença e o alcance do filme, inserindo-o também no mercado da Educação – como experiência-piloto do projeto Plataforma Educativa, do Polo Audiovisual da Zona da Mata – e no Licenciamento de Produtos.

A primeira experiência se deu com Escolas Públicas da região de Cataguases e cidades próximas, onde os alunos cumpriram um Percurso Formativo de Cocriação e Coprodução dos curtas-metragens, em releituras livres do filme. Na sequência, participaram de oficinas e laboratórios coordenados por equipes da Escola Animada e da Cocriativa, com encontros e tutorias presenciais em cada escola participante. O processo de formação se deu também através do PROAR – Plataforma de Produção Audiovisual em Rede, do Polo Audiovisual, onde os coletivos registraram passo a passo suas criações.

A Voltz Design cuidou da ação de comunicação do filme através de uma série de peças gráficas: cartazes, ingresso para sorteio, banners exposto na pré estreia, postal, cartaz, banners para Facebook, arte dos posts, animações, montagem das animações para posts poéticos, artes dos depoimentos (cartelas de crédito, logos etc., para aplicação nos vídeos). Fomos responsáveis também pela construção do site oficial do filme, concebido para desktop e mobile, com desenvolvimento de TI, design, ilustrações, áudios com sons de natureza, gifs animadas e produção de texto

ACESSE O SITE (www.afamiliadionti.com.br):

Participaram da experiência:

Belo Horizonte: Agência 21, Motrix Filmes, Voltz Design e Zap Comunicação
Zona da Mata: Cocriativa, Mutuca Filmes e Picadeiro Digital

Categoria: Filme, Plataforma, Website em 09/06/2017    


 

APP Guia Multimídia

Produzimos um guia eletrônico para tornar a visita ao Memorial Vale ainda mais completa. Trata-se de uma Ferramenta multimídia para aumentar a acessibilidade para os visitantes.


O guia multimídia vai auxiliar visitantes a terem uma experiência ainda mais completa e interessante no museu. Por meio de um tablet, disponibilizado pelo próprio Memorial Vale, ou por aplicativo para celular (iOS e Android), aqueles que visitam o espaço terão à disposição um guia virtual, com informações e curiosidades sobre os cerca de 30 espaços de exposição permanente, além de curiosidades sobre o prédio de 1897, onde funcionava a antiga Secretaria de Fazenda de Minas Gerais. O guia está disponível em português, inglês e espanhol. Todas as informações estão disponíveis em áudio e texto.

Sobre guia eletrônico e visita virtual

A cada sala, é possível acessar conteúdo que ajuda a entender com mais profundidade os conceitos e histórias por trás daquele espaço. Por meio de perguntas e frases que provocam reflexão, o aplicativo ajuda a aprofundar a vivência da visita.

O guia multimídia também ajuda a organizar percursos temáticos, por meio de uma seleção de salas e atrações. São oito propostas de roteiro: Literatura, Africanidades, República e memória, Mineiridades, Cartografia, Mulheres Geraes, Artes Visuais e Percurso da Criança. Esta última, por exemplo, conta com a ajuda da personagem Florinda, que propõe desafios e tarefas para os pequenos.

Mas o aplicativo também permite que o visitante personalize o roteiro, selecionando as salas que quer visitar e ordem do percurso, por meio de um mapa eletrônico do espaço.

O guia multimída também vai ajudar você a manter na memória a experiência da visita. Por meio da função “Meu registro” será possível montar um álbum de fotos feitos nos espaços do Memorial Vale. As imagens poderão ser compartilhadas nas redes sociais.

Outro recurso é a agenda, que permite ao usuário saber a programação artística do mês e se há, por exemplo, algum show, exposição fotográfica ou performance acontecendo no mesmo dia da visita.

O lançamento aconteceu no Memorial no dia 08 de junho de 2017. Estiveram presentes representantes do Iphan e Secretarias de estado de Educação e Cultura. Aconteceu uma visita mediada, simulando como poderia ser a atuação do setor educativo do Memorial.



Ficha técnica:

Realização: Memorial Minas Gerais Vale, Ministério da Cultura e Governo Federal
Concepção e execução: Voltz Design
Coordenação Geral: Cláudio Santos Rodrigues
Textos: Anna Flávia Dias Sales (Tria), Charles Junior Souza, Mabel Faleiro Coelho e Tiago Reis (MMGV)
Design de Interface: Cláudio Santos Rodrigues e Luis Matuto
Programação e Montagem: Álvaro Andrade Garcia e Lucas Junqueira (Ciclope)
Produção de Áudio: Fabiano Fonseca
Mixagem: Pedro Jácome (AudioPop)
Locuções: Christian Fernandes e Bruna Challub
Revisão: Élida Murta (Trema Textos)

Categoria: Aplicativo, Museus em 08/06/2017    


 

Da luz ao metal – A produção de um livro pela impressão fototipográfica

Resgatando uma história e memória da tipografia na região de Tiradentes e conectando com a valorização que o Foto em Pauta 2017 tem dado aos fotolivros, o workshop propõe a produção de um livro colaborativo à partir da documentação fotográfica dos ornamentos arquitetônicos de Tiradentes e transformação destas imagens em fotoclichês para a impressão tipográfica experimental.


O livro experimental fototipográfico permite uma investigação tanto da produção da imagem e composição da página quanto da sequencialidade do livro pelas técnicas e processos da tipografia e da materialidade do livro.

Programa:

DIA 1 – Um olho na tipografia e outro na cidade

Contextualização histórica de Tiradentes e região em relação ao universo da tipografia. Detalhamento da metodologia do workshop com apresentação de livros experimentais tipográficos e fototipográficos. Introdução aos processos de impressão tipográfica e produção dos fotolichês.

Tarde: Documentação fotográfica dos ornamentos arquitetônicos de Tiradentes para a investigação e layout da página. Dos ornamentos selecionados serão produzidos os fotoclichês para a impressão tipográfica experimental. Cada aluno fará um diário das memórias e percepções desta investigação para a composição da página.

Dia 2 – Mão na tinta
Manhã: Visita à Tipografia Assunção em São João Del-Rey para conversa com o tipógrafo Sr. Afonso e apresentação de todo o processo técnico. Produção do fotoclichê.

Tarde: Composição das páginas do livro com os ornamentos selecionados e textos do diário. Existem ainda fios e ornamentos tipográficos de metal para serem utilizados pelos alunos. Impressão experimental fototipográfica da composição.

Dia 3 – Mão e olho no livro
Manhã: Impressão digital dos textos nas páginas fototipográficas já impressas
Tarde: Acabamento dos livros e exposição de todo o processo do workshop para o debate final

INSTRUTORES

Cláudio Santos

Designer na Voltz Design desde 1996. Professor na Escola de Design da UEMG. Mestre em Sustentabilidade e Inovação, com pesquisa sobre a Rede Tipográfica de Minas Gerais. Pesquisador no TipoLAB – Laboratório de Tipografia da ED-UEMG. Desenvolve projetos transmídia com diversas aplicações em espaços de memória e museus. Em 2006 aprendeu o ofício da tipografia com o mestre Sebastião Bento da Paixão, da cidade de Jequitinhonha. Adquiriu todo espólio de sua Tipografia Liberdade e desde então realiza projetos experimentais que mesclam tipografia e audiovisual.

Flávio Vignoli

Designer, editor e tipógrafo da gráfica particular Tipografia do Zé que desde 2008 produz livros de tiragem limitada, livros experimentais, cadernos e outros impressos tipográficos. Possui a empresa de design gráfico, interiores e exposição Estúdio 43. Professor do Workshop de Tipografia da Tipografia Matias. Participante do Museu Vivo Memória Gráfica (Belo Horizonte) e Museu Tipografia Pão de Santo Antônio (Diamantina). Presidente do Centro de Artesanato Mineiro.

Ainda contamos com a participação do Tiopógrafo Sergin Castanheira. Na edição de 2016, Sergin comprou uma prensa manual que estava num ferro-velho. Ao longo do ano restaurou, fundiu peças, refez a rolaria e montou a “Tipografia Ambulante”. Ao longo do festival a programação era impressa e distribuída na cidade.

Convidado especial e fotos: Fábio Martins

Vídeo: Eduardo Guarda

Categoria: Curso, Experimental, Oficina, Tipografia em 21/04/2017