CDL – Espaço de memória do comércio de Belo Horizonte e de fomento à inovação

A Voltz e m parceria com a V Audiovisual contribuiu com mais um espaço de memória de BH que faz parte do Circuito Cultural da Praça da Liberdade. O Ponto Cultural CDL, novo ambiente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), foi desenvolvido com o objetivo de contar a história de Belo Horizonte a partir do desenvolvimento do comércio, desde sua fundação até os dias atuais, de uma forma original, interativa e inovadora, que levam os visitantes do século XVIII ao século XXI.

A relação do comércio com a cidade

O Ponto Cultural CDL possui itens que têm uma relação muito forte com a memória do comércio e da capital mineira, como xícaras originais do tradicional Café Nice dos anos 50, 55 e 60 junto com as fichas que até hoje são entregues aos clientes. Diversos documentos e fotografias que ajudam a entender o contexto de cada década, desde 1890 até os dias atuais, também estão expostos na linha do tempo, entre eles um convite de 1957 para um almoço realizado pela Sociedade dos Amigos de Belo Horizonte e as Classes Produtoras com o presidente da República da época, Juscelino Kubitschek, em comemoração aos 60 anos da capital mineira.

Músicas características de cada década também poderão ser ouvidas ao longo de toda a linha do tempo, o que contribui para que o visitante se aproxime da atmosfera de cada década. Todas as mudanças de moedas também estão representadas no Ponto Cultural CDL com a exposição de exemplares das cédulas e moedas.

Alguns modelos clássicos das máquinas de calcular, e também de máquinas registradoras, como a National 532, de 1911, também estão expostas no Ponto Cultural CDL. Outro item que pode ser visto e que foi símbolo da inflação no final dos anos 80 e inicio dos anos 90 é a máquina etiquetadora, que era utilizada para remarcar os preços dos produtos a cada variação da inflação. Documentos que mostram um pouco da história da CDL/BH e de sua atuação como representante dos setores de comércio e serviços da capital também podem ser visualizados no Ponto Cultural.

O Ponto Cultural CDL foi divido em módulos expositivos:

Galeria Rampa – Espaço para exposições artísticas de média duração, com temáticas direta ou indiretamente ligadas ao universo do comércio. Iniciando a ocupação da Galeria Rampa temos uma pintura do artista mineiro Alexandre Rato que mostra interações humanas e comerciais em ambientes da cidade.

Vídeo abertura – Infovídeo que mostra a pujança do comércio de forma numérica e dinâmica ao longo das décadas em BH, com informações que farão o visitante entender um pouco mais sobre a força e a importância do comércio de Belo Horizonte para o desenvolvimento da cidade.

Linha do Tempo – Apresenta fatos marcantes de 1890 a 2010, com três eixos principais como pano de fundo: o Brasil e o mundo, o comércio e a cidade de Belo Horizonte. Acompanhando a linha do tempo, são exibidos três vídeos.

O primeiro, O Comércio Vívido, que apresenta de forma poética um dia em BH sob a perspectiva das interações comerciais. De padeiros, iniciando sua jornada ainda na madrugada, a garçons, que voltam para casa apenas no fim da noite.

O segundo vídeo, O Comércio Expandido, exibe a força do comércio nas diversas regiões da capital, que descentralizam, expandem e dinamizam a cidade.

O último vídeo, O Comércio Visto, alterna imagens do passado e do presente de Belo Horizonte, visitando lugares, que fizeram e fazem parte do imaginário da cidade. Ao final da linha do tempo, em um monitor é possível que o visitante dê continuidade à linha até os dias atuais por meio de monitor.

Mesa CDL – Espaço destinado ao acervo da Entidade, com objetos e documentos de grande significado relacionados às ações da CDL/BH desde sua fundação até hoje.

Parede do Comércio e a Cidade – Exibe as relações construídas entre o comércio e a sociedade da capital. Neste ambiente, 12 caixas representam o impacto sentimental que o comércio causa nas pessoas. Cada uma destas caixas é acompanhada por um texto poético que contribui para aguçar o imaginário e as memórias dos visitantes. Os temas das 12 Caixas são: Imigrantes e comércio; Savassi; Mercado Central; Rua da Bahia; Lagoinha; Barreiro; Praça Sete; Venda Nova; Feira Hippie; Galerias; Áreas Especializadas; Santa Tereza e Floresta.

Monitor da Inovação – Nesta etapa da visita são apresentados de forma interativa, conceitos, mitos e verdades sobre inovação e algumas curiosidades. O visitante também verá algumas das soluções propostas pelas startups aceleradas pela CDL/BH e uma agenda de eventos relacionada ao segmento.

Ficha técnica Ponto Cultural CDL:

Curadoria: Heloísa Vidigal e Carlos José de Almeida Neto (Cavalinho de Pau)
Pesquisa histórica e textos: Osias Neves (Escritório de Histórias) e Guilherme Lessa
Projeto expográfico: Isabela Vecci (Vecci Lansky Arquitetura)
Projeto arquitetônico: Ana Machado (Ana Machado Arquitetura)
Design e sinalização: Greco Design
Soluções interativas e instalações audiovisuais:
Direção de criação e design de interfaces: Cláudio Santos Rodrigues (Voltz Design)
Direção de produção : Alessandra Maria Soares (Voltz Design) e Marcelo Braga (V Audiovisual)
Animação do infográfico, edição de vídeos da linha do tempo e montagem do terminal inovação: Emerson Bragança
Trilha sonora infográfico: Fabiano Fonseca
Captação de imagens e edição de vídeos ds instalações: Coletivo Imaginário
Desenvolvimento de sistema do clipping digital: Sérgio Mendes
Engenharia Audiovisual: EAV

Funcionamento

De segunda à sexta das 9h às 18h
Avenida João Pinheiro, 496 – Bairro Boa Viagem / Belo Horizonte / MG

CDL Conecta
Programa da CDL/BH que integra os novos espaços da sede da Entidade, o Ponto Cultural CDL e o Espaço Varejo Inteligente, e une nesses dois ambientes as noções de passado, presente e futuro do varejo.

Texto gerado a partir de matéria do CDL: http://encurtador.com.br/fhtL8


Categoria: Animação, Aplicativo, Instalação, Museus, Sistema, Video, Voltz em 05/06/2019    


 

Deixe seu comentário