Exposição

Foto em Pauta 2016 / Tipografia Assunção

Lugares e imagens que sobrevivem – Oficina aberta e performance audiovisual


Este ano para a identidade visual do 6º Foto em Pauta – Festival de Fotografia de Tiradentes, partimos da pesquisa acerca da Rede Tipográfica de Minas Gerais de Cláudio Santos Rodrigues. A ideia era pesquisar um acervo de clichês fotográficos na região do campo das vertentes, principalmente entre Tiradentes e São João Del Rei. Daí, chegamos na Gráfica Assunção. Em uma primeira investigação, feita por Eugênio Sávio e Sergin Castanheira (Foto em Pauta) vimos as ricas possibildades que se abririam. Conseguimos tirar dos arquivos, o velho prelo e dar vida novamente a alguns clichês. Daí, surgiu uma nova proposta: transformar o que seria um workshop em uma oficina aberta onde a Voltz + o Foto em Pauta realizariam um livro durante o festival, a partir do acervo do Gráfica Assunção. Além disso, optou-se em apresentar a pesquisa sobre a Tipografia em Minas Gerais no formato de uma performance audiovisual com o sistema de imprimir videos, que estamos aperfeiçoando a cada novo uso.

A segunda visita se deu em plena sexta-feira, dia 19.02.2016. Chegamos às 10h30 conforme combinado e Sr. Afonso estava lá assisitndo TV atrás do balcão. Iniciamos a conversa tendo 3 objetivos como meta. Um seria escutá-lo para dar continuidade à pesquisa da Rede Tipográfica de Minas Gerais. O outro seria conseguir ter acesso a seu acervo para poder usar como suporte para um livro-homenagem a essa técnica e a esses homens-máquinas. O terceiro seria fazer um orçamento para ver a viabildade de imprimir o catálogo do 16º Festival Foto em Pauta, parte em tipografia e parte em off-set. Acabamos fechando de imprimir a capa do catálogo utlizando os antigos clichês fotográficos na Heidelberg de leque.

Sr. Afonso tem 64 anos de profissão. Recebe as pessoas, mas a todo momento Laércio, auxiliar administrativo que está lá há 22 anos, dá continuidade aos atendimentos. Os orçamentos ainda são conversados, tem que ser analisados e aprovados por ele antes de enviar. Após uma longa conversa ele nos convida a adentrar. Começamos passando pela pré-impressão, que ainda é chamada de Arte-Final. Nos mostra um gaveteiro que virou armário de papéis. Passamos por uma Catu em funcionamento ao lado de um antigo relógio de ponto. Daí chega-se ao salão principal, com as impressoras e mesas de montagem.

Para o lado esquerdo, por uma pequena porta, entramos em salas que viraram depósitos. Junto a potes de tinta e papéis, se encontra uma mesa de sinuca e uma “feijãozinho”. Entramos por mais um corredor e chegamos em um gaveteiro desgastado pelo tempo mas repleto de clichês em ótimo estado. Ao som do sino da Igreja do Pilar, vamos abrindo gaveta por gaveta e nos deparamos com toda sujeira possível por conta dos diversos insetos e pequenos roedores que devem passear por ali há anos. Nesse garimpo, encontramos também fotos de anúncios fúnebres, além de logotipos de associações religiosas, empresas locais, times de futebol, etc.

Retornamos para o salão principal e para o lado direito, caímos numa antiga quadra de futebol de salão, com as marcas ainda no chão. O teto foi coberto e hoje abriga pilhas de papéis e 2 heildelbergs de leque. Uma delas com a roalaria entintada de vermelho e em pleno funcionamento para numerar notas fiscais. Outro capítulo a parte, são os 3 catálogos de tipos e 1 de clichê. Impressos curiosos aparecem também, como é o caso do amigo da onça que era vendido para os estabelecimentos comerciais e uma antiga nota fiscal da empresa toda impressa em tipografia datada de 1974.


Em um dos catálogos da tipografia Assunção, cada tipo era nomeado como atores, atrizes de novela e personagens da televisão, assim como por jogadores de futebol, nome de amigos, de personalidades civis e religiosas da região. Os catálogos da Tipografia Progresso apresentavam os tipos em um texto que revela de forma didática como é o processo tipográfico e dava dica aos clientes da melhor forma de se usar os recursos gráficos.

Dando continuidade nessa história o próximo post será sobre como imprimimos a capa em tipografia, usando os clichês fotográficos e numerador.

Tipografia e Papelaria Assunção
Rua Marechal Deodoro, 36 – (32) 3371 2954 / 3371 2410
[email protected]


Categoria: #voltz20anos, Evento, Experimental, Exposição, Festival, Performance, Tipografia, Video em 07/03/2016    


 
Posts AnterioresPosts Recentes

devagar + voltz 20 anos

Fragmentos e conexão de uma história. Pessoas, máquinas e sonhos

Em 2006, a Voltz adquiriu a prensa tipográfica centenária do Mestre tipógrafo do Jequitinhonha Sr. Sebastião Bento da Paixão. Tanto o maquinário, quanto os tipos e os clichês foram ressignificados se apropriando das possibilidades de ligação entre os meios analógicos e digitais.

Em 2008, aconteceu o projeto SIMBIO, que teve como prerrogativa apresentar uma simbiose entre diferentes formas de manifestações artísticas. Foi apresentado por Cláudio Santos Rodrigues (design, vídeos, composição e impressão tipográfica e videográfica), Guilherme Lessa (roteiro), Sérgio Mendes (desenvolvimento de sistema) e Fabiano Fonseca (música) o Almanaque de perdas, fracassos e transformações. Uma instalação audiovisual composta por uma projeção e sistema interativo acionado por sensores de presença dispostos em seis bancadas. Nas bancadas ficavam disponíveis calendários com o verso em branco. O público assistia aos vídeos, refletia sobre o tema, escrevia suas notas no calendário e o jogava ao chão, a sua frente. Parte das mais de 500 anotações recolhidas durante a exposição foram digitalizadas e compuseram o material para a performance que utilizou a prensa tipográfica.


O Simbio Remix, em 2009 foi o formato ao vivo e o diálogo multimídia dos artistas envolvidos no projeto, com música, vídeo e interações em tempo real. Durante a apresentação, calendários eram impressos e, nas telas, simultaneamente, exibidas as imagens dos calendários escritos que foram deixados pelos visitantes da exposição na Casa do Baile, em Belo Horizonte. O que se deu foi a integração dos suportes através de uma interface mecânico-digital, gerando uma máquina de imprimir vídeos e imagens. Abaixo uma breve explicação do funcionamento do sistema de impressão de vídeos:

1) O operador executa o movimento de impressão da tipografia.

2) O sensor é acionado através do contrapeso.

3) Um circuito eletrônico que permite a exibição de uma mídia é disparado.

4) Imagens e vídeos são acionados e exibidos.

5) A pessoa sai com um impresso de lembrança

Em 2015, o coletivo DEVAGAR nos procurou para que pudéssemos criar a identidade visual de uma nova proposta de evento/performance/espaço de troca de ideias. Nos identificamos de cara e viramos parceiro do projeto. Com isso, resolvemos resgatar a traquitana que exibimos em 2008/2009 e que, agora, poderá ser manipulada pelos participantes, com um conteúdo que revela fragmentos da relação da Voltz com a cultura de Belo Horizonte ao longo desses vinte anos. Além de manipular uma interface centenária, os visitantes poderão levar para casa um texto exclusivo do DEVAGAR e impresso por eles mesmos.

O DEVAGAR é um grupo de pessoas ligadas à comunicação e interessadas em um tipo de reflexão e pensamento crítico sobre o mundo das notícias e a velocidade dele. Esse é o mote do projeto, formado por um grupo de sete mineiros – o coordenador Augusto Barros, os jornalistas Laura De Las Casas, Joana Diniz e Caíque Pinheiro, o administrador Erlon Filgueiras, o arquiteto Guilherme Vasconcelos e o advogado e escritor Frederico Linhares.
O evento terá o diálogo entre os debatedores e artistas que criraram obras específicas para o Seminário.
- O sistema da dívida pública: Maria Lúcia Fatorelli, Maria Leite e Sara Lana

- O princípio da dualidade onda-partícula: Gabriela Barreto Lemos e Henrique Roscoe

- Sérgio Godinho e os 15 anos de experiência em pedagogia e democracia

-Daniel Iglesias e a antropologia do selfie

Dia: 12/12/15 – Local: Teatro Marília – Belo Horizonte, das 14h às 20h.

Categoria: #voltz20anos, Aplicativo, Evento, Experimental, Exposição, Música, Performance, Tipografia, Video em 10/12/2015    


 
Posts AnterioresPosts Recentes

Lorenzato Amadeo – Celebração do Cotidiano

A exposição Lorenzato Amadeo – Celebração do Cotidiano, aconteceu em 2014, Centro de Arte Popular Cemig. Antônio Carlos Figueiredo da Matiz objetos, há mais de três décadas, vem promovendo uma atividade de garimpo que busca identificar objetos singulares em meio ao descartável – condição estrutural do produto industrial moderno sujeito ao esquecimento em nossa sociedade sem memória!. A partir do seu acervo e aos olhos desse garimpeiro, os instrumentos construídos por Lorenzato – objetos do seu fazer artístico se tornaram acervo.

Na exposição, estes objetos devem ser lidos como indispensáveis para a realização da obra de arte. No futuro museu do cotidiano – condição almejada pelo objeteiro/garimpeiro de Belo Horizonte para a preservação e divulgação da importante coleção de objetos sob sua guarda – esses mesmos instrumentos poderão dizer de como um homem simples, que resolveu ser pintor, construiu seus instrumentos com suas próprias mãos.

O catálogo deveria revelar o homem e o artista Lorenzato, com  ênfase nos objetos que utilizava para realizar sua arte. Era preciso mostrar sua trajetória de vida, suas inspirações, seus objetos pessoais e daí suas esculturas e pinturas.

A capa do catálogo revela sua caixa de objetos e na 4ª capa mostramos a caixa vazia. Iniciamos o projeto gráfico com fotos pessoais, numa espécie de álbum de família, para daí mostrar os objetos. Tivemos o cuidado de diagramar os objetos (ferramentas, pentes, tocos de lápis…) de forma que pudessem ser vistos em conjunto e em sua individualidade, dando o devido destaque a eles. A próxima sequência mostrava os trabalhos em concretos pouco conhecidos em um fundo marrom e posteriormente organizamos as pinturas por temas.

CURADORIA, COLEÇÃO E ACERVO : Antônio Carlos Figueiredo

EXPOGRAFIA: Isabela Vecci

TEXTOS : Sérgio Maldonado, Thais Velloso Cougo e Antônio Carlos Figueiredo

PROJETO GRÁFICO e DIREÇÃO DAS FOTOS: Cláudio Santos Rodrigues

DESIGN: André Travassos e Cláudio Santos Rodrigues

FOTOS : Daniel Mansur


Categoria: Editorial, Exposição, Museus em 10/05/2015    


 
Posts AnterioresPosts Recentes

Voltz 2014 + 2015

PROJETOS

O ano de 2014 foi intenso e ligeiro. Tivemos grandes conquistas profissionais, que permitiram realizar significativos projetos nas mais diversas formas de atuação do design – gestão, estratégia, informação, interface, identidade, editorial, sinalização, audiovisual – através de plataformas de redes digitais educativas e de informação, sistemas interativos para museus e na web, campanhas e eventos no segmento de moda e audiovisual.

EXPERIMENTAÇÕES E ARTIGOS

Foi também um ano de realização e reconhecimento de projetos artísticos, assim como de análise e reflexão sobre alguns projetos, registrados e publicados em forma de artigo acadêmico. Um deles, a respeito de uma Rede de História e Espaço Memória, projeto que desenvolvemos em 2013 para ao BDMG, apresentado no principal evento de Design do Brasil (11º P&D Design em Gramado). Outro artigo tratou dos desdobramentos de uma instalação audiovisual que desenvolvemos no âmbito do projeto Trem da Vale. Foi analisado de que forma diferentes artefatos de memória, que se desdobraram dessa instalação, podem contribuir para o resgate do patrimônio cultural da tipografia em Mariana e Ouro Preto.

No final do ano foi possível ainda compartilhar a riqueza cultural do Jequitinhonha, a partir de uma leitura cultural feita pelos tipos móveis e impressos de um tipógrafo do Vale, apresentado no Seminário Internacional Design e Semiótica da UEMG.

Acesse o artigo apresentado e publicado no P&D Design >>

Acesse o Artigo da Revista DAT 9 da Universidade Anhembi Morumbi SP >>

PRINCIPAIS PROJETOS E RECONHECIMENTOS em 2014

PLATAFORMAS – Desenvolvimento, gestão estratégica e de conteúdo
> CASA DA ECONOMIA CRIATIVA SEBRAE – Criação, desenvolvimento, gestão de conteúdo e análise de métricas para plataforma web (BH)
> POLO AUDIOVISUAL ZONA DA MATA MG – Criação, desenvolvimento de plataforma web e de Guia de Profissionais e Serviços – GPS / Escola Animada – Blog  Educa (Cataguases)
> INHOTIM – Desenvolvimento de APP – Aplicativo android para Rede Educativa e Interface de visualização e relação de dados (BH/Brumadinho)
FUNDAÇÃO ARCELOR MITTAL – CTRL CULTURA E ESPORTE –  Idealização, desenvolvimento de plataforma digital para gestão do investimento de projetos incentivados. (BH)

EXPOSIÇÕES – Identidade Visual, sinalização, mesas interativas e publicações
>  EXPOPROJECÃO – SESC Pinheiros e Fundação Clóvis Salgado. (SP/BH)
>  FLUXUS – Exposição Slow Cinema na Fundação Clóvis Salgado e projeto gráfico para o Livro do Cineasta Coreano Apichatpong Wheresetakul (Editora Iluminuras / Oi Futuro) (BH/RJ)
> MUSEU HISTÓRICO ABÍLIO BARRETO – 3º Sinal / BH em Cena – A trajetória do Teatro em nossa cidade (BH)
> LAGOA DO NADO – Tradição e Resistência: sujeitos, práticas e memórias da cultura popular em Belo Horizonte
> O GRIVO – Objetos de  Medida – Palácio das Artes (BH)

FESTIVAIS
>  INDIE – Mostra de Cinema Mundial (BH/SP)

INDIE 2014 – Vinheta BH from Voltz Design on Vimeo.

>  FOTO EM PAUTA - Festival Internacional de Fotografia (Tiradentes – MG)
>  SACI –  Sociabilização, Arte e Cultura na Infância (BH e Itinerâncias)

AUDIOVISUAL
>  BOTHÂNICO – Criação de aquarelas e animação gráfica
>  FUNDAÇÃO VALE -  Concepção e aplicação de oficina de Animação no âmbito do Projeto Trem da Vale. (Mariana)

Contos da Mina – A Passagem from Voltz Design on Vimeo.

IDENTIDADE E LOJA VIRTUAL
> TOOL BOX – Evoluções na loja virtual e design de frota de veículos e padronagens para embalagens

EVENTOS
> FUMEC – Produção executiva, direção de arte e design para o TCC do Curso de Design de Moda – 19ª e 20ª Edições

20º Fumec Forma Moda from Voltz Design on Vimeo.

CAMPANHAS DE MODA
> VIDE BULA, ÁGUA FRESCA e REGINA SALOMÃO

VBINV15 MK04 from Voltz Design on Vimeo.

PROJETOS ARTÍSTICOS
> O URRO – Animação de ilustrações de Lelis para espetáculo teatral Multimídia dirigido por Carlos Rocha e Gil Amâncio (BH)
> SINFONIA PARA UMA CIDADE JARDIM – Instalação Audiovisual no Prédio Verde / Praça da Liberdade (BH)

RECONHECIMENTO
> Prêmio Concurso Cultura 2014 – MINC – BH em parceria com o Fotógrafo Julio Toledo - Concepção e realização de Sinfonia  durante a copa do mundo.
> Tipos Móveis – Participação na mostra competitiva do Anima Mundi 2014 e Menção Honrosa no Festival MUMIA - BH / SP / RJ
> Selecionado para o BID – Bienal Interamericana de Design com o projeto de Retroprojeção Localizada para a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais – Madrid – ESPANHA

EDUCAÇÃO
> Identidade Visual e comunicação do Instituto Ouro Verde – Criamos de forma colaborativa toda identidade visual e material gráfico para uma nova escola orientada pela Pedagogia Waldorf (Nova Lima)
> Publicação de 3 artigos e participação no Seminário Internacional de Design e Semiótica, promovido pela UEMG.

Para 2015 estamos inciando novos projetos e caminhando rumos aos próximos 20 anos!!! Aguardem novidades.


Categoria: Animação, Arquivo, Editorial, Evento, Experimental, Exposição, Fashion, Filme, Internet, Mostra, Museus, Música, Performance, Sinalização, Tipografia, Video, Voltz em 20/01/2015    


 
Posts AnterioresPosts Recentes

Exposição sobre cultura popular na Lagoa do Nado

Fomos convidados mais uma vez  por Alexandra Rousset, responsável pela expografia da Exposição Tradição e Resistência: sujeitos, práticas e memórias da cultura popular em Belo Horizonte. A Voltz foi responsável pela identidade visual, design e sinalização da exposição. Utilizamos o recurso de impressão direta no MDF e criamos padronagens gráficas com ícones do universo retratado.

A inauguração aconteceu no dia 13 de dezembro de 2014, na Lagoa do Nado em BH e contou com a presença de autoridades e dos Mestres que foram homenageados na exposição.


Categoria: Exposição, Sinalização em 11/12/2014    


 
Posts AnterioresPosts Recentes

museu histórico abílio barreto

A convite do arquiteto Alexandre Roussef, desenvolvemos toda identidade visual e sinalização da Exposição 3º SINAL: BELO HORIZONTE EM CENA, no Museu Histórico Abílio Barreto. A expoisção que fica em cartaz por 1 ano e meio, apresenta movimentos teatrais e seus personagens, construindo um panorama da diversidade da produção dessa arte ao longo da história da cidade. O universo teatral percorre todo o espaço expositivo, buscando instigar sensações e possibilitar uma experiência cênica, ainda que momentaneamente.

Sem ater-se a cronologias e classificações, estão expostos momentos das trajetórias de artistas e grupos. Textos, figurinos, cenários, objetos, programas, fotos e outras referências à atuação permitem acessar a memória de um momento efêmero: a encenação. Por detrás da cena, estão os bastidores, lugar de formação, fomento e criação. E, para que o fenômeno teatral aconteça de fato, espaços da relação cena-plateia são construídos e transformados, oferecendo ao público o papel de captar olhares sobre a cidade, em seus conflitos e na sua pluralidade.

Informações datadas e sistematizadas, imagens, objetos e depoimentos convivem no rico acervo disponibilizado, principalmente, pelos construtores das histórias. Esses documentos respaldam as lembranças e registram propostas estéticas, núcleos aglutinadores, espaços ocupados e construídos nas relações com o público. A vida urbana está ali representada, não só pelas múltiplas experiências estéticas, mas também pelas emoções individuais, sensações coletivas, posturas políticas e sociabilidades que as manifestações artísticas podem gerar.

Veja as fotos da inauguração da exposição >>

Diretoria de Políticas Museológicas: Luciana Rocha Féres
Museu Histórico Abílio Barreto: Célia Regina Araujo Alves
Associação dos Amigos do Museu Histórico Abílio Barreto:
Ângela Alvarenga Batista de Barros | Presidente - Roger Alves Vieira | Gerente

Curadoria: Glória Reis
Coordenação Geral: Célia Regina Araujo Alves e Luana Maia Ferreira
Projeto Cenográfico: Alexandre Rousset
Programação Visual: Voltz Design
Pesquisa Histórica: Glória Reis, Luana Maia Ferreira
Textos: Glória Reis
Ação Educativa: Virgínia Cândida Ribeiro
Cenotécnica: Artes Cênica Produções


Categoria: Exposição, Museus, Sinalização em 03/10/2014    


 
Posts AnterioresPosts Recentes

O processo de uma sinfonia audiovisual

Em 2010, Alessandra M. Soares, diretora de criação e produção da Voltz Design, conheceu o fotógrafo Júlio Toledo a partir de suas fotos. Com esse material em mãos, a designer idealizou uma agenda para a Rona Editora, revelando a relação das fotos dos ipês junto aos patrimônios arquitetônicos de Belo Horizonte. Na mesma época o fotógrafo iniciou o desenvolvimento de uma linha de postais, onde o projeto BH Cidade Jardim ganhou o prêmio Gentileza urbana do Instituto de Arquitetos de Minas Gerais.

Em 2014, o fotógrafo convidou a Voltz para entrar num edital do MINC. A possibilidade de ”espacializar seu trabalho, proporcionando uma experiência sensorial veio de imediato. A ideia de uma instalação audiovisual  era perfeita para trazer todas as cores, grafismos e composições que as fotos permitiam.

O projeto idealizado foi contemplado em maio de 2014. Neste momento, iniciamos a montagem da equipe. Além da concepção do roteiro em parceria com Júlio Toledo, Cláudio Santos Rodrigues (Diretor de Novas Mídias da Voltz) foi responsável pelo design e direção de arte da instalação, assim como por parte da gravação e edição das imagens e coordenação de uma equipe multidisciplinar.

O roteiro, partiu da ideia da transposição do conteúdo para as 4 telas, evoluindo para a divisão por tempo. Manhã, tarde e noite. Júlio é o flanéur que anda pela cidade com  um olhar atento e sensível e é o protagonista (em todos os sentidos) da narrativa que se constrói.

Os animadores, foram velhos parceiros: Roberto Bellini, além de um grande artista com um trabalho peculiar e reconhecido, participou de diversos projetos audiovisuais da Voltz. Leonardo Dutra foi o outro animador. Professor de Design Audiovisual da UEMG, co-realizou com Cláudio o premiado projeto Tipos Móveis, também concebido e realizado pela Voltz.

A Sinfonia para uma Cidade Jardim começa com cenas gravadas especialmente para o projeto, onde pássaros derrubam as flores de um ipê da Praça da Liberdade. As composições gráficas para a sequência da manhã partiram de planos abertos da cidade, que se aproximavam até as ruas, chegando nas árvores e flores, criando uma composição cromática de amarelos, roxos, rosas e brancos. A transição para a parte da tarde vem com um novo ritmo, e revela a cidade em movimento, e as árvores em diálogo com a arquitetura. A noite aparece e o ritmo desacelera até cenas da madrugada.

Para viabilizar o projeto duas outras parcerias foram fundamentais. Convidamos a Oito Oito Produções e a EAV – Engenharia Audiovisual. Ambas empresas participaram também de outros projetos de instalação audiovisual e interativa com realização da Voltz. Para a Sinfonia, uma sala do segundo andar do Prédio Verde, foi toda revestida de tecido preto, e em cada canto foi instalado um projetor. 4 telas de um leve tecido translúcido cai do teto ao chão e recebem as projeções das fotos que foram diagramadas afim de permitir um diálogo em diferentes pontos-de-vistas.

Para a trilha sonora convidamos jovens músicos da cena independente de BH. André Travassos é vocalista e guitarrista das Bandas Câmera e Invisível. Renato Moura é percussionista da banda Pequeno Céu e Santa Dose. Ambos trabalham na Voltz há alguns anos. Juntos com Bernardo Bauer e Leo Dutra desenvolveram em 2013 a trilha para a vinheta do Indie – Mostra de Cinema Mundial.  Essa experiência fez com que o convite viesse novamente.

Climas de guitarra e teclados, baterias e percussão criam ambiências sonoras para cada momento da instalação. A partir de textos levantados por Júlio, Alessandra, André Travassos e Bernardo emprestaram suas vozes para permitir outras texturas sonoras ao processo imersivo. A mixagem em 5.1 foi feito por Ronaldo Gino, parceiro de longa data em performances e instalações audiovisuais pelo F.A.Q e pela Serrassônica de André Melo.

O resultado vem de um projeto de design audiovisual, que envolve diversas competências. É uma experiência imersiva, gráfica, cromática, sonora e visual, que pode ser vivenciada no Prédio Verde da Praça da Liberdade durante a Copa do Mundo de 2014.

Sinfonia para uma Cidade Jardim from Voltz Design on Vimeo.


Categoria: Animação, Experimental, Exposição, Performance, Video, Voltz em 26/06/2014    


 
Posts AnterioresPosts Recentes

Lorenzato | Amadeo – exposição

Processo de montagem da exposição, Lorenzato/Amadeo – Celebração do Cotidiano. Toda Identidade Visual desenvolvida pela Voltz em parceria com Isabela Vecci e Antonio Carlos (Matiz – Arte e Objeto). Um projeto do Museu do Cotidiano que ser á exibido no CAPE – Centro de Arte Popular Cemig.

Curadoria, Coleção e Acervo: Antônio Carlos Figueiredo

Expografia: Isabela Vecci

Textos: Sérgio Maldonado, Thais Velloso Cougo e Antônio Carlos Figueiredo

Texto Expositivo: Anna Flávia Dias Salles

Comunicação Visual: Voltz Design

Fotografias Obras e Objetos: Daniel Mansur

Construção Expográfica: Artes Cênica

Documentário: Paulo Laender

Molduras: Ricardo Homen (Van Gogh)


Categoria: Exposição, Museus, Voltz em 14/01/2014    


 
Posts AnterioresPosts Recentes

exa – projeção na janela

O EXA possui uma galeria, com cerca de 30m2, dedicada a receber pequenas exposições. Estamos interessados em compartilhar com o público de Belo Horizonte, uma produção artística contemporânea, que seja capaz de gerar processos reflexivos e críticos, além de colocar o público em contato com diferentes experiências e processos criativos.

EXPOSIÇÃO 16:9
Aberutra dia 14/12 às 19 horas!!!

http://www.exa.art.br/


Categoria: Animação, Experimental, Exposição, Tipografia, Voltz em 12/12/2013    


 
Posts AnterioresPosts Recentes

expoprojeção 1973/2013 – sesc pinheiros – sp

Processo de montagem da A EXPOPROJEÇÃO 1973-2013 evento histórico.

A EXPOPROJEÇÃO 1973-2013 apresenta um panorama da produção de filmes e vídeos de artistas, realizados no contexto da arte contemporânea brasileira. Sob uma perspectiva histórica, exibe o trabalho de 47 artistas interessados na elaboração experimental destes meios de expressão.

O ponto de partida para esta retrospectiva foi a célebre mostra EXPOPROJEÇÃO 73, organizada por Aracy Amaral, na sede do GRIFE [Grupo de Realizadores Independentes de Filmes Experimentais], apresentando naquele ano trabalhos realizados em novas mídias – audiovisuais com slides, filmes em super-8 e 16 mm, além de obras sonoras. Esta exposição foi a primeira iniciativa curatorial a reunir esta produção, ainda desconhecida no país, traduzindo através de imagens e sons, a multiplicidade temática e estética daquela cena cultural.

http://www.expoprojecao.com.br/



Categoria: Evento, Exposição, Internet, Sinalização, Voltz em 30/10/2013    


 
Posts AnterioresPosts Recentes